FILMES E SÉRIES

Jason Segel, Lilly Collins e Jesse Plemons em cena de Sorte de Quem?

Divulgação/Netflix

Crítica

Suspense com Lily Collins, Sorte de Quem? questiona status e riqueza

Nova produção da Netflix aposta em um elenco enxuto e uma narrativa que surpreende a cada minuto

Yasmine Evaristo

Yasmine Evaristo

Os primeiros planos de Sorte de Quem? mostram a beleza de uma casa de férias e o conforto de seu hóspede. Entretanto, gradativamente somos levados de uma história de descanso e férias para um filme sobre um malfadado assalto.

Nobody/Ninguém (Jason Segel) se delicia com um drinks, recostado na cadeira. Em seguida, caminha pela propriedade, colhe algumas laranjas e admira a paisagem. Cada um de seus passos desfruta do conforto e da beleza daquela magnífica casa. Mas, algo muda em seu comportamento, pois existe ali uma preocupação em apagar os rastros de sua permanência naquele lugar. A partir desse ponto somos jogados em uma disputa de poderes e argumentos.

Sem saber o que os aguarda, um casal, Lily Collins e Jesse Plemons, chegam em sua casa de verão. Lá se deparam com o visitante surpresa que os rende e foge, em seguida. Entretanto, o assaltante (Segel) encontra um percalço em seu caminho e precisa retornar ao local e transformar o par romântico em refém.

Jason Segel, Lilly Collins e Jesse Plemons em cena de Sorte de Quem?

Trailer de Sorte de Quem?

Jason Segel, Lilly Collins e Jesse Plemons em cena de Sorte de Quem?

O recorte de classe em debate

A produção Sorte de Quem? possui um vertiginoso desenvolvimento em que os três envolvidos passam a discutir quais seriam as possíveis soluções para que o roubo chegue a um encerramento pacífico.

Não somos informados das motivações para o crime, mas, ao menos, entendemos por meio dos diálogos o quanto aquele relacionamento está em crise e como o ladrão se incomoda com o status social do assaltado.

O que inicialmente poderia ser um jogo do bem contra o mal se transforma em uma mistura de interesses financeiros, buscas pela liberdade e manutenção de poder simbólico.

O recorte de classe é o tema que conecta toda a situação. Dessa forma, vemos cada um dos envolvidos refletindo sobre suas ideias do que é conforto, riqueza e qual lugar eles ocupam na sociedade.

Reflexos da pandemia

A pandemia da COVID-19 afetou também as produções cinematográficas. Eventualmente podemos encontrar cada vez mais filmes com elenco menor, filmados em poucas locações.

Os criadores de Sorte de Quem?, Justin Lader, Andrew Kevin Walker e Jason Segel, fizeram o filme com o intuito de manter a criatividade ativa durante o período de isolamento.

Assim surgiu a história sobre uma suposta invasão pacífica que se converte em 36 horas de desconhecidos encerrados na mesma casa, alguns sob a mira de uma arma e todos sob a mira de seus conflitos pessoais.

Pitadas de Hitchcock

O jogo de gato e rato em um ambiente isolado, protagonizado por dois personagens masculinos que se contrapõem, são elementos comuns tanto em filmes noir, quanto nos filmes de Hitchcock.

De maneira semelhante a essas produções, Sorte de Quem? apresenta personagens cativantes que fazem os minutos do filme passarem de maneira rápida. Gradativamente a narrativa apresenta o que é necessário para que tenhamos mais informações sobre os envolvidos, ora por meio de diálogos, ora por suas expressões diante das adversidades que surgem.

Enquanto o marido, um CEO de sucesso, é apresentado como a vítima do assalto, sua esposa parece ser apenas um adorno adquirido com sua fortuna. Mas, aos poucos vemos o homem se transformar em uma figura arrogante, que possui desprezo pelos mais pobres, incluindo o passado de sua esposa. A mulher se transforma aos poucos em alguém que toma para si a autonomia há tempos perdida e, para completar, transita de mocinha indefesa para um tipo de femme fatalle.

Da mesma forma, Nobody/Ninguém que, em princípio parece ser um ladrão atrapalhado, gradativamente mostra sua face explicitando as motivações de sua ação.

Um filme para quem gosta de um suspense inteligente, que prende do início ao fim, feito com elementos simples.

Leva que tá doce: Jesse Plemons mais uma vez dá um show de interpretação com suas expressões marcantes, ao lado de um Segel que se mostra cada vez mais convincente fora da comédia.

Dois pelo preço de um: aproveitando a presença do magnífico Plemons, assistam ao ator em Ataque dos Cães (Netflix), filme que rendeu a indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante neste ano.

Presta atenção, freguesia: Sorte de Quem? manipula bem as tensões em cena, que culminam em um final de tirar o fôlego.

Pôster oficial de Sorte de Quem?

Sorte de Quem?

Suspens
16
Direção
Charlie McDowell
Produção
Netflix
Onde assistir
Netflix
Elenco
Lily Collins
Jason Segel
Jesse Plemons
Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Yasmine Evaristo

Yasmine Evaristo

Yasmine Evaristo é crítica de cinema associada à Abraccine e pesquisa o gênero fantástico e representação e representatividade de pessoas negras no cinema. Devota da santíssima trindade Tarkovski-Kubrick-Lynch, também é artista visual, desenhista e cursa graduação em letras.

Ver mais conteúdos de Yasmine Evaristo

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal