FILMES E SÉRIES

A atriz Fairuza Balk como a Nancy de Jovens Bruxas

Columbia Pictures

A MAGIA ESTÁ NO AR

Netas da bruxa Keka: Como Jovens Bruxas foi parar no topo da Netflix?

Envolto em aura de cult, Jovens Bruxas voltou a figurar entre os filmes mais vistos da Netflix 26 anos depois do lançamento

Daniel Farad

O feitiço de Jovens Bruxas (1996) foi tão forte que não só levou uma legião de adolescentes a abusar do lápis de olho em suas publicações do Fotolog. O filme foi um dos responsáveis por popularizar religiões neopagãs como a Wicca no Brasil e, 26 anos depois do seu lançamento, voltou a ser um dos conteúdos em alta da Netflix –mesmo já estando no catálogo da plataforma desde 2019.

O telespectador, aliás, está de olho nesse universo místico como um todo no serviço de streaming. O longa-metragem aparentemente se beneficia do sucesso da última (e mais sombria) temporada de Stranger Things e até de séries como Primeira Morte.

A produção chama a atenção não só de um público saudosista, que o vê como um clássico cult, mas também de uma parcela mais jovem da audiência. Com quase três décadas de existência, Jovens Bruxas ainda chama mais atenção do que a sua mais recente sequência –Nova Irmandade (2020), disponível na HBO Max.

O verniz de realidade é um dos pontos a favor da obra original, que contou com uma feiticeira de verdade como colaboradora do diretor Andrew Fleming. A ocultista Pat Devin foi responsável por tornar os encantamentos do filme os mais próximos da realidade do neopaganismo.

A lei do retorno, uma constante da Wicca, também é central para a história de Sarah (Robin Tunney), Nancy (Fairuza Balk), Bonnie (Neve Campbell) e Rochelle (Rachel True). Elas, no entanto, têm questões um tanto mais reais do que a irmandade que as substitui e, portanto, muito mais próximas ao público.

Bruxas sociais

Se Nova Irmandade foca mais nos poderes e nas responsabilidades da magia, Jovens Bruxas retrata adolescentes em busca de soluções rápidas para os seus problemas. Eles vão da aparência a questões mais sérias, como o racismo ou transtornos alimentares –não necessariamente bem representados em meados dos anos 1990.

As netas da bruxa Keka (Xuxa Meneghel) da geração Z podem até ter uma certa recusa política no coletivo, mas são engajadas enquanto indivíduos. Apesar de todas as limitações técnicas e até morais, o filme parece superar magicamente o tempo para se conectar com uma audiência que ainda nem tinha nascido em 1996.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Daniel Farad

Repórter. Além do Notícias da TV, também se juntou ao Tangerina para combater a mesmice e o escorbuto. Escreve do Rio de Janeiro, onde se sente eternamente em uma novela do Manoel Carlos. Aqui, porém, a gente fala mexerica. Fale com o Daniel: [email protected]

Ver mais conteúdos de Daniel Farad

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal