Thor: Amor e Trovão é a redenção de Chris Hemsworth na pele do herói

FILMES E SÉRIES

Chris Hemsworth

Divulgação/Marvel Studios

CRÍTICA

Thor: Amor e Trovão é a redenção de Chris Hemsworth na pele do herói

Quarto filme solo do deus nórdico estreia nos cinemas do Brasil nesta quinta-feira (7) e marca retorno de Natalie Portman à franquia

André Zuliani

Quando Chris Hemsworth estreou na pele de Thor Odinson, em um já longínquo 2011, seu nome era praticamente desconhecido do público; seu personagem, uma incógnita nos cinemas. Apesar do sucesso de Homem de Ferro (2008) e do início da construção do Universo Compartilhado da Marvel, nada assegurava que uma história solo do Deus do Trovão protagonizada por um ator desconhecido renderia milhões.

Onze anos depois, Hemsworth é o primeiro astro da Marvel a estrelar a ganhar um quarto filme solo e Thor, entre tropeços e acertos, se tornou um dos personagens mais queridos de todo o MCU. É justamente por causa desta estrada tortuosa enfrentada pela franquia que Thor: Amor e Trovão significa a redenção para o ator na pele do herói.

Alguns poderiam falar que ela havia chegado com o sucesso de Thor: Ragnarok (2017) e a entrada de Taika Waititi como diretor, ou talvez com o arco enfrentado pelo Deus do Trovão em Vingadores: Guerra Infinita (2018) e Vingadores: Ultimato (2019). Mas é com Amor e Trovão que o personagem consolida o novo tom da narrativa e faz as pazes com o passado para, enfim, olhar para o futuro.

Para seguir em frente, a franquia faz um aceno ao que já viveu. O retorno de Natalie Portman como Jane Foster, ex-namorada do autointitulado Vingador mais forte, injeta uma dose de amor necessária não apenas para justificar o título do filme, mas também para comprovar o amadurecimento de Thor e abraçar a sua humanidade.

Thor: Amor e Trovão - Natalie Portman e Chris Hemsworth

Natalie Portman e Chris Hemsworth

Divulgação

Em Thor: Amor e Trovão, o arco de Jane é o mesmo dos quadrinhos de Jason Aaron que inspiraram o longa. Doutora reconhecida no meio científico, ela descobre que está com câncer no estágio quatro –o mais perigoso de todos. Com a quimioterapia surtindo pouco efeito, ela segue o conselho de Darcy (Kat Dennings, em curta participação) e apela para a “carta mágica”: a ciência de Asgard e a sua antiga ligação com Thor.

Como revelado antes mesmo do início das filmagens começarem, Jane assume a identidade da Poderosa Thor após se tornar capaz de empunhar o Mjolnir. Com os mesmos poderes do Deus do Trovão, ela se une ao ex-namorado quando o surgimento de um novo vilão ameaça a existência de todos os deuses do universo.

O antagonista da vez é Gorr, o Carniceiro dos Deuses (Christian Bale). Antigo devoto de divindades, ele abandona a fé depois que sua filha e todo o seu povo são mortos. Ele percebe que o deus a quem tanto louvavam nunca se importou com eles. Tomado pelo ódio, ganha o poder de dizimar a todos ao encontrar a Necroespada, item milenar e com força descomunal.

No filme, o Gorr de Bale ganha uma roupagem menos sinistra do que a sua contraparte dos quadrinhos. Apesar de sua missão continuar sendo matar todos os deuses existentes, o personagem é humanizado e menos sombrio, sem que a carnificina praticada por ele em diversas galáxias seja o principal motor de sua narrativa.

Christian Bale

Christian Bale em Thor: Amor e Trovão

Divulgação/Marvel Studios

Esta “simplificação” nas histórias de Gorr e Jane Foster acabam por ser a parte negativa de Thor: Amor e Trovão. De certa maneira, o longa de Taika Waititi é a maior aventura com o selo Disney entre todos os filmes do personagem. Explicações enxutas são jogadas na tela sem grandes desenvolvimentos, fazendo com o que o espectador apenas “aceite” que há uma nova Thor ou que o vilão vivido por Bale é o Thanos da vez. Até mesmo a pequena e aguardada participação dos Guardiões da Galáxia passa quase despercebida.

Embora mantenha o excelente humor de Waititi, que se aproveita da aura mitológica de Thor para ridicularizar o personagem, e de se tratar de uma história que atravessa os limites de galáxias, não há urgência em Amor e Trovão. Não há batalhas inesquecíveis ou sequências de ação de tirar o fôlego. Aqui, o importante é o sentimento e a jornada de redescobrimento do herói após tantas perdas.

Não há dúvidas de que a parceria entre Chris Hemsworth e Taika Waititi levou Thor a alcançar uma posição mais confortável entre todas as franquias da Marvel. Após Amor e Trovão, ainda é incerto qual será o futuro do herói dentro do MCU, mas a mudança de rota proposta pelo diretor colocou o Deus do Trovão no caminho certo para se tornar inesquecível.

Natalie Portman, Tessa Thompson e Chris Hemsworth em cena de Thor: Amor e Trovão

Thor: Amor e Trovão

Trailer legendado

Thor: Amor e Trovão cartaz

Thor: Amor e Trovão

Ação/Aventura
12

Direção

Taika Waititi

Produção

Marvel Studios

Onde assistir

Cinemas

Elenco

Chris Hemsworth
Natalie Portman
Tessa Thompson
Christian Bale
Taika Waititi
Russell Crowe
Jaimie Alexander
Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

André Zuliani

Repórter de séries e filmes. Viciado em cultura pop, acompanha o mundo do entretenimento desde 2013. Tem pós-graduação em Jornalismo Digital pela ESPM e foi redator do Omelete.

Ver mais conteúdos de André Zuliani

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal