GAMES

Cena de Remnant Tour

Reprodução

Análise

Chefona: Como Ikumi Nakamura quer ampliar diversidade nos games

Artista e diretora japonesa funda o Unseen, estúdio voltado para desenvolvimento de jogos e outras mídias: “Um lugar onde diferentes culturas se cruzam”

Jessica Pinheiro

Jessica Pinheiro

Ikumi Nakamura se tornou um nome relevante para quem acompanha assiduamente a indústria de jogos pelos últimos anos. Em seu currículo, constam produtoras famosas como a Capcom, a PlatinumGames e a Bethesda Softworks; e após uma pausa por conta da maternidade, a artista e diretora japonesa anunciou recentemente um novo estúdio de jogos, o Unseen.

Com a promessa de ser multicultural, diverso e concentrado no desenvolvimento de jogos e outras mídias focadas em mistério, terror e ficção científica, o Unseen foi fundado em Tóquio, mas “funciona como um terminal”, de acordo com a própria Nakamura em entrevista ao IGN. “Um lugar onde diferentes culturas se cruzam”, promovendo o encontro de artistas de diferentes lugares do globo.

“Uma mistura de culturas pode ser um terreno fértil para novas ideias, e isto é a verdadeira alegria de começar um novo estúdio”. O Unseen, inclusive, já está trabalhando em um projeto de jogo, mas nenhum detalhe foi divulgado por Nakamura até o momento. Segundo ela, a equipe está sendo muito cuidadosa com a ambientação e personagens, já que o game visa “refletir personalidades e minorias da vida real”.

Cena do vídeo de apresentação do Unseen

Somos o UNSEEN

Novo estúdio de desenvolvimento de games promete diversidade e será um terminal para artistas de todo o mundo se encontrarem

A jornada até o Unseen

Antes de fundar o Unseen, Nakamura vivenciou um trajeto curioso.

Primeiramente, tornou-se mundialmente conhecida quando apresentou Ghostwire: Tokyo para o público durante uma conferência da Bethesda, na E3 2019. A revelação do novo jogo chamou a atenção por mesclar uma ambientação sobrenatural com câmera em primeira pessoa, apesar de seu gameplay não ter sido divulgado logo de início. Contudo, quem verdadeiramente roubou a cena foi a carismática pessoa que apresentou o game momentos antes do trailer ser exibido: Ikumi Nakamura. 

Esta foi a primeira vez que a grande maioria dos gamers soube da existência de Nakamura, uma artista e diretora japonesa com passagens por estúdios como o Clover da Capcom onde criou as artes de fundo para Ōkami, e PlatinumGames onde atuou como artista conceitual de Bayonetta e trabalhou brevemente no cancelado Scalebound como diretora de arte.

Ikumi Nakamura na E3 2019

Nakamura roubou a cena quando apresentou Ghostwire: Tokyo no palco da conferência da Bethesda, na E3 2019

Reprodução/Bethesda

A partir de 2010, ela passou a trabalhar na Tango Gameworks, uma divisão da Bethesda, onde serviu como artista em The Evil Within 1 e 2. Depois, Nakamura se tornou diretora criativa de Ghostwire: Tokyo, mas devido ao estresse com as políticas e decisões sobre o jogo, saiu da empresa em 2019, no meio do desenvolvimento.

Ela conta ao Game Informer que teve pesadelos diários a respeito de seus superiores. Somando isso à saúde em declínio, Nakamura deixou o projeto com a sensação arrebatadora de que estava abandonando um filho: “Eu era uma diretora criativa, então este é literalmente meu bebê, um bebê de quatro anos”.

Com a notícia de sua saída da Bethesda, Nakamura recebeu ofertas para se juntar a diversos estúdios de vários lugares do mundo na época, além de ter feito amizade com nomes como Cory Barlog, do estúdio Santa Monica da Sony, e até mesmo com o diretor de cinema JJ Abrams. Até que uma das maiores reviravoltas de sua vida aconteceu: ela ficou grávida.

“Eu nunca quis ter filhos”, disse Nakamura, revelando inclusive que vomitou em durante algumas de suas visitas a estúdios de jogos. 

Narrativas promissoras

Cena da entrevista de Nakamura ao IGN

Nakamura revela que o Unseen já está trabalhando em um projeto, mas sem muitos detalhes

Reprodução/IGN

Ikumi Nakamura não é a primeira mulher a fundar um estúdio de jogos: a canadense Jade Raymond tem pelo menos dois em seu nome (o Motive e o Haven), enquanto Kellee Santiago foi co-fundadora do thatgamecompany (responsável por Journey). No Brasil, o PixelPunk nasceu da junção dos poderes de Tiani Pixel e Fernanda Dias, e o Joymasher tem Thais Weiller como co-fundadora também. Ainda assim, a artista e diretora é uma das pioneiras de maior destaque no Japão.

Não bastasse isso, Nakamura carrega a experiência recente de ter sido mãe, algo que pode se refletir nas narrativas de seus próximos projetos —assim como outros artistas e diretores de sucesso fizeram em títulos como God of War (2018), de Cory Barlog, e Death Stranding, de Hideo Kojima.

Sua posição, agora como a chefona do Unseen, pode ainda abrir portas para que mais mulheres, de diferentes culturas, possam ter seu próprio espaço na indústria. E felizmente, isso é algo que Nakamura pretende realizar: “Há uma criadora que é como uma irmã mais velha para mim, que cuida de mim”, revelou à Game Informer. “Ela me disse: ‘Eu quero que você se sente no trono algum dia, porque seu sucesso vai encorajar a mim e muitas outras mulheres desenvolvedoras’. [Na] época, eu realmente não entendi o que ela quis dizer com isso. Mas agora eu sei o que isso significa”.

Um estúdio que visa servir de lobby para diversos desenvolvedores de todos os cantos do mundo certamente se encontrarem, tem potencial para inspirar e causar impacto. Destacar mais mulheres no meio disso é apenas uma questão de tempo se depender de Nakamura:  “Eu me tornar conhecida, pouco famosa, foi pura coincidência”, diz ela. “Sim, foi uma coincidência, mas vou transformar isso em uma oportunidade”.

Informar Erro
Falar com a equipe

Tags

QUEM FEZ
Jessica Pinheiro

Jessica Pinheiro

Repórter da Tangerina, Jessica Pinheiro já cobriu games e tecnologia em veículos coo IGN Brasil, Loading TV e The Enemy. É streamer nas horas vagas e nasceu no Ceará, mas infelizmente não tem sotaque. Ama karaokê e também assina a Koluna Pop, onde traz todas as novidades do universo do k-pop.

Ver mais conteúdos de Jessica Pinheiro

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal