MIX

Maria Bruaca (Isabel Teixeira) em Pantanal

Reprodução/TV Globo

MARY BRU

Bruaca quebra tabu com fivela em Pantanal: Mulher de 50 também transa

Fogosa, Bruaca em Pantanal continua a guinada nas novelas sobre a representação da mulher pós-50

Daniel Farad

Maria Bruaca (Isabel Teixeira) foi à loucura ao sentir o gelo da fivela de Alcides (Juliano Cazarré) em Pantanal. Reprimida sexualmente, e não só por Tenório (Murilo Benício), a dona de casa deixou as camisolas encardidas de lado para tomar um banho de rio só de lingerie –e fez a peça se esgotar em uma loja online em questão de horas.

O remake de Bruno Luperi, em relação à nudez, é muito mais bem comportado do que a versão escrita pelo avô Benedito Ruy Barbosa para a Manchete em 1990. O texto com toques de safadeza ganha, portanto, novos contornos quando o erotismo não é necessariamente o chamariz da audiência.

Bruaca, por exemplo, se surpreende ao levar um agarrão de Alcides e dizer que não sabia que o peão andava armado, em referência ao pênis ereto. A excitação não é apenas sexual, mas da descoberta e da libertação –da mulher que volta ou que passa a sentir prazer aos 50 anos.

A telenovela no Brasil é bastante conservadora ao debater o etarismo, resumindo-se muitas vezes no discurso contra os maus-tratos ou do abandono aos idosos. Os folhetins, porém, têm um papel crucial no imaginário popular para abarcar outras questões, como a levantada pela personagem de Isabel Teixeira.

Afinal, por mais que se invoque de questões biológicas como a menopausa, mulheres não deixam de lado as questões do desejo ao chegarem aos 50 anos. A ficção, porém, costuma ser bem cruel com as atrizes, e Meryl Streep já disse que bastou chegar aos 40 para aparecer a primeira proposta indecente –no caso, a de bruxa.

Fogo no Pantanal

Aos 58 anos, Deborah Evelyn passou anos sob o estigma do “patinho feio” ou da “neurótica” até ser redescoberta justamente pelas novelas. Ela então passou a protagonizar cenas de sexo à base de bolo de limão em A Dona do Pedaço (2019) ou com um garoto de programa em Verdades Secretas 2 (2021).

As personagens vieram no esteio de outras atrizes; caso de Eliane Giardini, que já havia feito mulheres sexualmente ativas, como a Muricy de Avenida Brasil (2012). O libido veio aumentando gradativamente até chegar em Bruaca, que caiu nas graças do público mais jovem –e foi apelidada carinhosamente de Mary Bru.

Um ponto a favor de Pantanal, já que a matriarca é reprimida justamente pela filha Guta (Julia Dalavia) na história. A engenheira bate de frente muitas vezes com Tenório por causa de um discurso progressista, mas tem dificuldade em ver a mãe como uma mulher empoderada –longe das panelas, do fogão e da pia da cozinha.

Bruaca terá uma recaída e voltará a ser “bela, recatada e do lar” nos próximos capítulos, numa mudança de hábitos que não deverá durar muito tempo. E ainda bem. Ela até aqui foi uma espécie de “norvana” dentro da história, juntando todas as tribos a favor de uma mesma fivela e contra um mesmo tabu.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Daniel Farad

Repórter. Além do Notícias da TV, também se juntou ao Tangerina para combater a mesmice e o escorbuto. Escreve do Rio de Janeiro, onde se sente eternamente em uma novela do Manoel Carlos. Aqui, porém, a gente fala mexerica. Fale com o Daniel: [email protected]

Ver mais conteúdos de Daniel Farad

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal