AMPLIFICADORAS

Controladora de som em um show

Markus Spiske/Unsplash

Amplificadoras

Você sabe quem está por trás das músicas que você consome?

Quem dá identidade para os hits que ouvimos e movimenta os festivais que frequentamos? Se prepare para conhecer as histórias de mulheres que moldam a indústria musical!

Nicolle Cabral

Nicolle Cabral

Antes de você dar play em um artista favorito ou estar na frente de um palco, prestes a ouvir aquela seleção de hits, muitas coisas (e pessoas) acontecem. Desde as equipes técnicas —que atravessam o país com caixas de som e diversos fios emaranhados para você ter uma experiência memorável— aos créditos da ficha técnica de um disco, existe um nome por trás.

O que acontece, muitas vezes, é que, se você é mulher, esse nome não é colocado na conta. Afinal, não é novidade para ninguém que a indústria fonográfica é majoritariamente ocupada por homens. E, desse espaço, eles não abrem mão. Em 2021, a União Brasileira de Compositores (UBC) levantou dados sobre o apagamento feminino nesse mercado. Segundo a pesquisa, 79% das mulheres já sofreram discriminação de gênero e 53% delas nunca receberam valores de direitos autorais.

Quer outro dado deprê? Em um estudo de 2019, realizado pela Escola USC Annenberg de Comunicação da Califórnia, foi constatado que entre as músicas mais populares do mundo dos últimos sete anos, só 2% de mulheres foram creditadas como produtoras. Eu sei, é uma realidade assustadora.

Por isso, antes da primeira edição da coluna Amplificadoras, resolvi reunir alguns desses dados para justificar o movimento oposto que vai rolar aqui na Tangerina. Neste espaço, a ideia é amplificar as narrativas de personagens femininas —e de quem se identifica como— que trabalham no universo da música, mas não estão, necessariamente, em evidência.

Aqui, vamos reunir quinzenalmente um pedacinho da história dessa indústria massiva, sob a perspectiva de mulheres. Desde técnicas de som, produtoras, curadoras de festivais, empresárias, compositoras, beatmakers, roadies… Enfim, se você é uma dessas mulheres que faz essa máquina girar, este lugar também é para você.

Meu nome é Nicolle Cabral, já dei palinhas sobre mulheres na música em veículos como a Rolling Stone Brasil, Revista Balaclava e Revista Noize. Também coleciono aparições no Monkeybuzz, em entrevistas e críticas de disco. Desta vez, venho aqui todo domingo para dividir as boas histórias que ouvi, com vocês. Mas fique de olho que a primeira edição da coluna vai ser especial, e você não vai precisar esperar tanto.

Sejam todes bem-vindes. Quando a casa está cheia, o refrão sai melhor.

Até logo!

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Nicolle Cabral

Nicolle Cabral

Antes de ser repórter da Tangerina, Nicolle Cabral passou por Rolling Stone, Revista Noize e Monkeybuzz. Nas horas vagas, banca a masterchef para os amigos, testa maquiagens e cantarola hits do TikTok.

Ver mais conteúdos de Nicolle Cabral

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal