MÚSICA

Vencedora do Eurovision, banda ucraniana Kalush Orchestra fará turnê para arrecadar dinheiro para Exército

Reprodução

Motivos de segurança

Eurovision 2023: Por guerra, organizadores barram evento na Ucrânia

União Europeia de Radiodifusão defende que invasão russa impossibilita garantia de segurança na produção

Lucas Almeida

Lucas Almeida

A União Europeia de Radiodifusão, responsável pela realização da competição de música Eurovision, confirmou que a próxima edição do evento não acontecerá na Ucrânia. Os organizadores afirmam que a guerra no país, causada pela invasão russa, impossibilita a “garantia de segurança de todos que trabalham e participam” da produção.

“É fundamental que as decisões tomadas em relação a um evento tão complexo de televisão ao vivo sejam tomadas por profissionais de radiodifusão e não se tornem politizadas”, informou a organização em uma nota oficial, publicada nesta quinta-feira (23).

Tradicionalmente, o país vencedor do Eurovision é o anfitrião da edição seguinte. Neste ano, a banda ucraniana Kalush Orchestra levou o primeiro lugar. A União Europeia de Radiodifusão reforçou que, pelas regras, “o evento pode ser movido em uma situação de força maior, como uma guerra em andamento”.

A instituição já havia anunciado em 17 de junho que a emissora ucraniana UA:PBC seria incapaz de cumprir as “garantias de segurança e operacionais” exigidas devido à guerra.

A nota ainda dizia que os organizadores estavam conversando com a BBC para que o evento fosse transferido para o Reino Unido. O segundo lugar da competição deste ano ficou com o cantor britânico Sam Ryder.

O anúncio gerou uma série de respostas. Primeiro, o ministro da cultura ucraniano, Oleksandr Tkachenko, divulgou um comunicado nas redes sociais, demandando uma mudança na decisão.

A BBC ainda explicou, em nota, que aguardaria uma decisão final para discutir a possibilidade de ser anfitriã da competição. Até o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, comentou sobre o caso.

Depois de uma visita a Kiev, ele disse para jornalistas que a Ucrânia deveria ter o direito de receber o evento. No comunicado mais recente, a União Europeia de Radiodifusão não deu novos indícios sobre o destino da competição.

O Eurovision é considerado um dos eventos com a segurança mais rígida da Europa. A organização leva quase um ano inteiro para as preparações e todos que recebem acesso aos bastidores têm identidade e antecedentes checados. Cerca de 10 mil pessoas são credenciadas para a competição, entre funcionários e jornalistas.

Informar Erro
Falar com a equipe

Tags

QUEM FEZ
Lucas Almeida

Lucas Almeida

Repórter. Passou pela MTV Brasil e Veja.com. É fã de um pop triste e não deixa de ouvir todos os lançamentos musicais da semana.

Ver mais conteúdos de Lucas Almeida

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal