MÚSICA

Greta Van Fleet: Shows no Brasil começam na próxima semana

Divulgação

Entrevista

Para Greta Van Fleet, ‘a crítica de arte é idiota’: ‘Nunca ligamos’

Com público fiel no Brasil, banda de hard rock norte-americana volta ao país para abrir shows do Metallica e fazer apresentações solo; baixista Sam Kiszka conta o que os fãs podem esperar: 'Somos melhores do que antes'

Luccas Oliveira

Luccas Oliveira

A turma do Greta Van Fleet volta ao Brasil para shows em maio. Serão cinco apresentações no país, entre os dias 3 e 12. No Rio de Janeiro (dia 3, no Qualistage), a banda norte-americana fará uma data solo. Depois, segue como atração de abertura do Metallica por Porto Alegre (dia 5, no estacionamento da FIERGS), Curitiba (dia 7, no Couto Pereira), São Paulo (dia 10, no Morumbi) e Belo Horizonte (dia 12, no Mineirão). Há ingressos à venda apenas para os shows no Rio e BH, os demais estão esgotados.

Criada pelos irmão Kiszka —os gêmeos Josh e Jake e o caçula Sam— com o amigo baterista Daniel Wagner, a banda norte-americana costuma causar reações extremas. Bem no estilo “amo ou odeie”. A base de fãs, que é muito numerosa no mundo todo, entende o Greta Van Fleet como um sopro de renovação no rock. Os críticos, por sua vez, torcem o nariz e apontam as evidentes semelhanças com a sonoridade blues/hard rock do Led Zeppelin.

Fato é que a banda segue firme e forte —”mais forte do que nunca”, resumiu o baixista Sam Kiszka, em entrevista à Tangerina. Vencedor do Grammy de melhor álbum de rock pelo EP From the Fires, em 2019, a banda lançou The Battle at Garden’s Gate, seu segundo disco cheio de estúdio, em abril de 2021. O guitarrista Jake, se recuperou de uma pneumonia que obrigou o Greta Van Fleet a cancelar shows nos últimos meses.

Atração do Lollapalooza Brasil em 2019, quando também fez um show lotado no RJ, a banda fará sua segunda turnê no país. Sam Kiszka falou sobre a relação com as críticas, o futuro do rock, a ideia de tocar para fãs do Metallica e o que a turma pode esperar dos shows por aqui.

Leia a entrevista com o baixista do Greta Van Fleet

Tangerina: O que os fãs brasileiros podem esperar dos shows do Greta Van Fleet?

Sam Kiszka: Vai ser grande. Estivemos aí há três anos, o tempo passou de um jeito meio distorcido. Serão grandes shows, muito maiores do que da última vez que tocamos no Brasil. Muita coisa mudou, lançamos o disco The Battle at Garden’s Gate, mudamos substancialmente o design do cenário. E crescemos como músicos, compositores, pessoas, performers. Será uma experiência completamente diferente da última vez, que já foi fantástica. Fomos muito bem recebidos por uma quantidade enorme de pessoas e estamos prontos para cantar, dançar e ser parte deste movimento do rock’n’roll com vocês.

O show que vocês fizeram no Lollapalooza foi visto por uma multidão, mesmo. E vocês também fizeram uma data solo com ingressos esgotados no Rio. O que você mais lembra daquela visita?

Dos fãs. Um dos públicos mais incontroláveis, barulhentos e maravilhosos que já tivemos. Eu não sei exatamente o que acontece, se vocês são muito fãs de rock ou do Greta Van Fleet. Mas é maravilhoso. E agora vai ser elétrico. O diálogo entre público e banda e o que sai dele cria uma experiência inesquecível. E então podemos pegar essa inspiração e colocá-la em novas músicas ou, você sabe, reciclar isso, sei lá. Enquanto o público pode pegar a energia, se inspirar e criar algo, também. É isso que buscamos quando fazemos turnês, e acho que é por isso que funcionamos tão bem no Brasil.

Greta Van Fleet no Lollapalooza

Veja um registro do show do GVF no Lollapalooza

Banda tocou no palco principal em 2019

Começamos falando sobre o que os fãs do Greta Van Fleet podem esperar, mas vocês também vão abrir shows do Metallica. Posso imaginar que muitos fãs do Metallica não conhecem vocês. O que na música do Greta Van Fleet pode ser atraente para eles?

Bom, é rock and roll. Puro e simples, sem nenhuma besteira nisso. É a única coisa que importa pra gente, e o mesmo acontece com o Metallica. O Metallica é uma das bandas de rock mais influentes de todos os tempos. Eles são um dos grandes, definitivamente, muito verdadeiros com o que fazem. O Greta Van Fleet também é. Somos verdadeiros à música que fazemos e ao universo que meio que criamos ao longo do caminho. E os fãs parecem se apegar a isso. Tipo, é como se você estivesse sendo aceito em uma comunidade e é isso que a música faz. Ela junta as pessoas, cria inspiração e pode mudar o mundo. É muito poderoso.

De volta ao Metallica, é uma banda que tem uma ligação tão forte com o Brasil que até lançou um disco que resume os 25 anos de turnês por aqui. É um desafio abrir a turnê deles?

Não, acho que vai ser maravilhoso e alegre. Eu consigo entender o motivo do Metallica ser tão grande no Brasil. É porque o Brasil ama rock e música. E isso tem a ver com a gente, também. Obviamente, estamos em patamares diferentes em diversas frentes, mas vai ser divertido. Sobre as pessoas que vão ao show e não conhecem o Greta Van Fleet, acho que eles vão sair com uma opinião positiva. Acho até que podem sair como fãs.

Tem gente que diz que nunca teremos novas bandas de rock chegando ao tamanho de um Metallica, por exemplo. Que consiga fazer turnês por estádios, ser headliner de festivais… Você vê o Greta Van Fleet ou alguma banda da geração de vocês conseguindo isso, no futuro?

Sim. Grande parte deste debate se dá porque o rock saiu da vanguarda. Acho que isso tem a ver com a falta de autenticidade de um monte de bandas em um certo período de tempo. Isso meio que tirou o rock das paradas mainstream. Mas você não pode dizer que o rock não é importante nem que ele não tem os fãs mais leais entre todos os gêneros. Resumindo, acredito que o rock esteja em meio a um grande ressurgimento agora por uma ou outra razão. E ele está voltando, vai ser um pouco mais mainstream, queiram as pessoas ou não. Vejo isso num futuro muito próximo, e vai ser maravilhoso. Tudo vai e vem. Mas, para mim, não importa se o rock é mainstream ou não, porque é um movimento cultural, um estilo de vida importantíssimo. Vai muito além da música.

Você falou que o rock vai voltar a ser grande “queiram as pessoas ou não”. E é curioso porque quando você joga Greta Van Fleet no Google tem diversos comentários negativos de críticos, comparações com outras bandas como o Led Zeppelin, um certo ódio… Ao mesmo tempo, vocês seguem fazendo shows cada vez maiores. Vocês lidam melhor com o que as pessoas falam, hoje em dia?

Acho que a gente nunca se importou com isso, na verdade. Porque nós temos nossas inspirações e viemos de onde viemos. Nossa fortaleza está na música rock and roll e no blues. Então, não nos afeta o que os críticos dizem. Afinal, o que é um crítico de música? É uma pessoa que basicamente reage positiva ou negativamente a qualquer tipo de música. Acho que todo esse lance de crítica de arte é idiota. A arte vem de um indivíduo, um artista, e vai diretamente para o coração de quem a consome, ouve etc. E isso pode significar tudo para essa pessoa. Enquanto isso, o crítico pode falar que tal música é horrível por tais razões, mas ela vai seguir sendo tudo para aquela pessoa.

Criar música que toca nas pessoas, as inspira, é a nossa principal missão. Empoderar pessoas para que elas possam pensar e realizar o que desejam, artisticamente.

Por falar em criar novas músicas, os fãs do Greta Van Fleet amam essa vibe nostálgica de rock e blues que a banda faz. No processo criativo, vocês se sentem presos a isso? Ou é o que vocês gostam de fazer mesmo?

Quando nós quatro nos juntamos e fazemos música, é isso que acontece. Nós apenas criamos, criamos música rock and roll. Jake quer tocar guitarra elétrica, Josh ama criar melodias únicas, Daniel quer abordar as partes de bateria criativamente e manter a música se mexendo. E eu quero pintar a parte estética da canção e segurá-la com linhas de baixo. É o que acontece, é o que sabemos fazer, como criamos. Não é tão intencional como algumas pessoas pensam. É a sinergia que acontece quando Josh, Jake, Sam e Daniel se reúnem para criar.

Estamos sempre tentando levar o ouvinte a algum lugar e dar a ele uma experiência que ele não teria em nenhum outro lugar. Ou seja, não é intencional, mas tem, sim, raízes no passado. Mas tem no presente também, o que acho que você pode chamar de futuro. Gosto de pensar que homenageamos o passado, mas tentando sempre criar coisas novas.

O disco que vocês lançaram recentemente, The Battle at Garden’s Gate, tem entre os temas como a experiência humana é afetada por coisas como a religião e a guerra. Neste momento, estamos vendo uma guerra entre Rússia e Ucrânia. O quão importante é levar esta mensagem do disco numa turnê mundial, agora?

Mais importante do que nunca. Quando o disco saiu, foi o momento em que a pandemia finalmente estava sendo controlada. E todos meio que entenderam que o mundo é um lugar diferente, agora. Só que desde os últimos dois, três meses, o mundo é um lugar ainda mais diferente do que era quando o álbum saiu. Há uma incerteza diante da soberania, o que é algo muito perigoso para se brincar numa sociedade global como a nossa. Mais do que nunca, a música é muito importante. Ela inspira muita gente, empodera pessoas a tomarem ações. Ela é mais importante agora do que era nas últimas duas décadas.

O começo do ano foi complicado para o Greta Van Fleet, já que seu irmão e guitarrista, Jake, precisou lutar com uma forte pneumonia. Vocês precisaram cancelar diversos shows, por isso. Como você lidou com a situação, do lado pessoal?

Foi realmente decepcionante ter que adiar esses shows. Por sorte, conseguimos remarcá-los rapidamente. Mas, em resumo, é uma situação dolorosa. Não é uma sensação agradável, mas foi a melhor decisão a se fazer. Já que Jake precisou se recuperar para estar 100%, especialmente agora que estamos indo para o Brasil, sabe. É muito importante que a gente se cuide e isso foi uma lição para todos. Não se esforce fisicamente para além dos limites do que é saudável para você. Crie expectativas saudáveis para você, por mais que isso doa. Os fãs foram muito compreensivos e torceram para a recuperação de Jake. Espero que não tenha sido um grande inconveniente para ninguém. Estamos de volta e mais fortes do que nunca.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Luccas Oliveira

Luccas Oliveira

Luccas Oliveira é editor de música na Tangerina e assina a coluna Na Grade, um guia sobre os principais shows e festivais que acontecem pelo país. Ex-jornal O Globo, fuçador do rock ao sertanejo e pai de gatos, trocou o Rio por São Paulo para curtir o fervo da noite paulistana.

Ver mais conteúdos de Luccas Oliveira

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal