MÚSICA

Montagem com fotos de Seo Taiji & The Boys, Girls' Generation, BTS e Aespa, representantes das quatro gerações do k-pop

Fotos de divulgação

Linha do tempo

Linha do tempo da onda coreana: Entenda como o k-pop dominou o mundo

A história da música pop sul-coreana é dividida em quatro gerações e tem seu sucesso diretamente ligado ao incentivo do governo

Gabriela Ferreira

Gabriela Ferreira

Quem nunca acompanhou o k-pop de perto talvez se assuste com os números enormes que BTS, Blackpink e outros artistas do gênero alcançam atualmente. Recordes de vendas de álbuns físicos são atualizados constantemente, enquanto o número de visualizações de clipes do YouTube e a presença nas principais paradas musicais do mundo seguem surpreendendo a indústria musical. Mas a história do k-pop não chegou nesse patamar só com fãs divulgando seus grupos favoritos com edits no Twitter.

Saiba o significado de edits e de muitos outros termos no nosso glossário do k-pop

Na real, o governo sul-coreano investe na indústria cultural desde o final dos anos 1990 e esse é um dos principais fatores para o k-pop ser um dos gêneros musicais mais consumidos da atualidade. Vem que a gente te explica como o investimento na cultura fez com que a Coreia do Sul se tornasse a potência que ela é hoje:

Primeira geração

Depois de anos de baladas e de trot (gênero de música pop coreana), o trio Seo Taiji & The Boys estreou em 1992. Ali começava a primeira geração do k-pop. Pioneiros em incorporar o rap no pop coreano, o grupo trouxe para a indústria o new jack swing e uma forte influência da música norte-americana. A iniciativa abriu espaço para que outros grupos fizessem o mesmo. 

Apresentação ao vivo do trio Seo Taiji & The Boys, pioneiro do k-pop na década de 1990

Veja apresentação do Seo Taiji & The Boys na TV em 1992

Trio é considerado pioneiro do k-pop

Ao lado de Seo Taiji & The Boys, os grupos H.O.T, Sechs Kies, S.E.S, Shinhwa e os solistas BoA e Rain foram as sensações da primeira geração do k-pop. Essa galera foi muito influenciada pelo hip hop, tanto na música quanto na moda. A maioria dos grupos masculinos se vestiam como as boybands da época (N’Sync e Backstreet Boys, principalmente), com calças largas, camisetas enormes, correntes, e por aí vai. Já as mulheres se vestiam bem casualmente e usavam maquiagens bem simples.

Foi durante essa época, também conhecida como Onda Coreana ou Hallyu —neologismo criado por jornalistas chineses para explicar a popularização da cultura sul-coreana em outros países da Ásia—, que o k-pop começou a crescer em outros países, como na China e no Japão. Mas, para mensurar o impacto disso, é importante entender o contexto político em que o país se encontrava. 

De 1910 até o fim da Segunda Guerra Mundial, os coreanos foram dominados pelo Japão, época em que tiveram seu idioma proibido, cultura reprimida, mulheres violentadas e vários outros horrores. Em 1950, aconteceu a Guerra da Coreia, resultando na separação das Coreias após três anos de conflitos. Entre 1960 e 1980, o país passou por uma ditadura. Depois de tudo isso, o governo queria dar uma repaginada na imagem da Coreia e melhorar a relação com outros países. 

Foi aí que em 1997 a crise financeira asiática chegou, fazendo com que a Coreia precisasse receber US$ 58 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI). No ano seguinte, Kim Dae-Jung assumiu a presidência e a missão de tirar o país do buraco. Logo no primeiro ano de mandato, o autoproclamado “Presidente da Cultura” baniu produtos culturais importados do Japão. No ano seguinte, o governo criou a Lei Básica Para a Promoção da Cultura e destinou US$ 148,5 milhões para este segmento.

As medidas fizeram com que a cultura local fosse mais valorizada e a indústria crescesse. Pouco tempo depois, o presidente permitiu a disseminação de produtos coreanos em outros países, como a China. Assim, as novelas/séries sul-coreanas, conhecidas como k-dramas, e o k-pop começaram a crescer pela Ásia.

O crescimento do k-pop em outros países fez com que os artistas começassem a explorar outros mercados. Em 2002, BoA estreou no Japão com o disco Listen To My Heart. A fluência da artista na língua e o fato de que o álbum dela foi feito por um time majoritariamente japonês fizeram com que, logo no começo, muita gente pensasse que ela fosse japonesa. 

A aceitação da BoA no país foi tão absurda que, em 2003, a cantora foi convidada para o South Korea-Japan Summit Dinner Party, na casa do primeiro ministro do Japão, em Tóquio. Esse foi um episódio marcante para a reaproximação dos dois países. 

Foi também durante a primeira geração que as três principais empresas de entretenimento sul-coreano surgiram. Em 1995, Lee Soo-Man fundou a SM Entertainment. No ano seguinte, o ex-membro do Seo Taiji & The Boys, Yang Hyun-Suk, fundou a YG Entertainment. Por último, o cantor Park Jin-Young, ou J.Y Park, fundou a JYP Entertainment no ano de 1997.

Segunda geração

Com artistas como Girls’ Generation, Shinee, Super Junior, Wonder Girls, KARA, BIGBANG, 2NE1, IU e TVXQ, a segunda geração do k-pop começou na primeira metade dos anos 2000 e foi até o final da mesma década.

O grupo feminino Girls' Generation é um dos símbolos da segunda geração do k-pop

Assista ao clipe de Gee

Girls' Generation é um dos marcos da segunda geração do k-pop

Nos anos 1990, a história do k-pop estava apenas começando. Já na década seguinte, os artistas moldaram a indústria para chegar ao modelo que conhecemos, uma vez que grande parte —para não dizer tudo— surgiu durante os anos 2000. 

Para começar a listar, é importante falar que esse período ficou muito marcado pela invasão dos idols na TV. Hoje, é super normal ver artistas nos mais diversos programas de variedades da Coreia do Sul, e essa moda começou com a segunda geração. Os lightsticks também apareceram com os grupos da segunda geração.

O primeiro a ter um foi o BIGBANG, com um lightstick desenhado pelo G-Dragon, lançado em 2006. Todos adotaram a ideia e os lightsticks se tornaram super importantes, a ponto dos grupos criarem coreografias especiais para os fãs reproduzirem com os objetos. Eles também servem como forma de demonstrar apoio aos grupos em eventos e apresentações. 

GIF mostra fãs usando lighsticks durante um show de k-pop em estádio

Efeito luminoso dos lighsticks é uma marca dos shows de k-pop

Reprodução

A segunda geração também foi responsável por firmar os conceitos girl crush, bad boy/girl, cute, escolar e sexy dentro do k-pop. Essa experimentação de conceitos por comeback também gerou muita novidade na moda: muitos cabelos ousados e roupas coloridas. Os grupos dessa época lançaram ainda a tendência de soltar vídeos de ensaios de dança.

Como o k-pop já tinha se estabelecido na Ásia, o segundo passo foi apostar mais na indústria ocidental. Nesse período, muitos grupos começaram a se apresentar fora do continente. Em 2003, rolou a primeira edição do Korean Music Festival, em Los Angeles (EUA), que contou com a presença de vários artistas importantes, como BoA, g.o.d e Jang Na-Ra. No mesmo ano, Rain fez uma turnê que passou pela Austrália e pelos Estados Unidos. 

Por falar em Estados Unidos, foi em 2009 que um grupo de k-pop emplacou a primeira música no Hot 100 da Billboard, a parada mais importante do país. A versão em inglês de Nobody, do girlgroup Wonder Girls, estreou em 76º na parada. 

O grupo Wonder Girls na performance em inglês da música Nobody, o primeiro hit de k-pop a entrar nas paradas americanas

Veja o clipe da versão em inglês de Nobody

Música do grupo Wonder Girls foi a primeira do k-pop a entrar nas paradas da Billboard

Durante essa época da história do k-pop, o governo continuou investindo na cultura. Em 2005, foi criado um fundo de US$ 1 bilhão voltado para o k-pop. Além do investimento contínuo, o avanço tecnológico também ajudou muito para que o k-pop começasse a alcançar novos países. Tanto que foi durante a segunda geração que a cultura de fã-clubes ficou mais forte na Coreia do Sul.

Tudo isso fez com o que o mercado musical do país desse um salto enorme. Segundo o Relatório de Música Digital de 2012, da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, na single em inglês), em 2005, o país estava no 33º lugar na classificação mundial. Já em 2011, a Coreia do Sul tinha pulado para o 11º lugar. 

Terceira geração

A história do k-pop enquanto fenômeno global que conhecemos hoje começou com a terceira geração, que vai do começo dos anos 2010 até 2018. Vários grupos marcaram esse período, como BTS, EXO, NCT, Blackpink, Red Velvet, Seventeen, Mamamoo, Monsta X e GOT7.

O astro coreano PSY no clipe do megahit Gangnam Style

Veja (mais uma vez) o clipe de Gangnam Style

Com o hit, PSY furou todas as bolhas do k-pop

Essa fase coincidiu com a segunda fase da Onda Coreana, que aconteceu em 2012, com a explosão de Gangnam Style, do PSY. Nunca na história uma música sul-coreana tinha feito tanto sucesso. O videoclipe ultrapassou o limite de visualizações do YouTube da época (2,147 bilhões) e continuou a crescer, ficando na liderança da plataforma por anos. 

Hoje, Gangnam Style está em oitavo lugar do ranking de vídeos mais vistos, com mais de 4 bilhões de acessos. O som explodiu nos quatro cantos do mundo e o cantor chegou até a subir no trio elétrico da Claudia Leitte para cantar o hit no Carnaval de Salvador, em 2013. 

E não foi só o Brasil que o k-pop invadiu. A terceira geração focou muito em conquistar o mercado mundial. Deu certo, mas nem tudo é perfeito. 

No começo de 2016, os Estados Unidos e a Coreia do Sul começaram a negociar a instalação de um sistema antimísseis em solo sul-coreano, como uma forma de ficar de olho na Coreia do Norte. A China foi contra a negociação, já que o sistema representava uma ameaça à segurança do país chinês.

Como resposta, a China começou a barrar produtos sul-coreanos. Cosméticos ficaram presos na alfândega, artistas da Coreia do Sul foram impedidos de entrar no país e banidos da TV chinesa. 

Na época, a China era o principal mercado externo da Coreia do Sul e as coisas só não foram por água abaixo porque, em 2017, o k-pop explodiu mundialmente. Naquele ano, o BTS colocou duas músicas na Billboard Hot 100, DNA e Mic Drop. Em maio do ano seguinte, o disco Love Yourself: Tear estreou em primeiro lugar no ranking Billboard 200. Em junho, a revista Time colocou o BTS na lista de pessoas mais influentes da internet. 

Cena do clipe de DNA, do BTS

Assista ao clipe de DNA, do BTS

Música entrou nas paradas americanas em 2019

O BTS virou uma verdadeira febre mundial, que reverteu muito dinheiro para a Coreia do Sul. De acordo com o Instituto de Pesquisas Hyundai, o k-pop movimentou em 2018 US$ 5 bilhões e 72% deste valor total foi relacionado ao BTS. Outro estudo aponta que a expansão da cultura pop movimentou US$ 9.5 bilhões para a Coreia do Sul.

Com tudo isso, os grupos da terceira geração começaram a investir mais na carreira fora do país. Eles fizeram várias parcerias com artistas ocidentais, no esquema um ajuda o outro. Assim, os grupos foram aparecendo cada vez mais na mídia internacional, fazendo diversos shows fora da Ásia, e gerando interesse na cultura sul-coreana.

Quarta geração

A quarta geração da história do k-pop é a que estamos vivendo agora. Com grupos como The Boyz, Loona, Aespa, Tomorrow x Together, Stray Kids, Enhypen, Itzy, STAYC e ATEEZ, a era atual começou em 2018 e o k-pop nunca esteve tão forte. 

As integrantes do grupo de k-pop Aespa no figurino do clipe Next Level

Veja o clipe de Next Level, do Aespa

Grupo surgiu em 2020 e já virou fenômeno

De acordo com relatório divulgado pela Fundação Coreana, em 2019, os fãs da cultura sul-coreana somavam 89 milhões de pessoas espalhadas por 113 países. 70 milhões na Ásia e Oceania, 11,8 milhões nas Américas e 6,6 milhões na Europa. 

Porém, a pandemia da Covid-19 chegou e mudou tudo. A indústria musical foi severamente prejudicada por conta do cancelamento de shows, principal renda de muitos artistas.

Se o k-pop estava em um momento em que as portas de diversos países estavam, como os grupos iam continuar se mantendo relevantes e arrecadando milhões? A indústria precisou se reinventar, mas o governo continuou botando dinheiro. Em 2020, o Serviço Coreano de Cultura e Informação, do Ministério da Cultura, criou 32 centros culturais em 28 países ao redor do mundo para promover a arte local. 

Desde que a Covid-19 começou a se espalhar, não demorou muito para os grupos começarem a fazer eventos online, como apresentações e encontros virtuais com fãs de todos os lugares do mundo. No dia 1º de janeiro de 2022, a SM Entertainment quebrou o recorde de evento coreano online mais transmitido de todos os tempos, com o SMTOWN 2022: SMCU [email protected] Foram 51 milhões de streams de 161 países. 

Apesar do desafio —principalmente para os grupos mais novos que não chegaram a ter eventos presenciais por conta da pandemia—, o k-pop conseguiu se manter no topo. O Twitter divulgou que, no período de um ano entre o começo de julho de 2020 e o fim de junho de 2021, o k-pop gerou 7,5 bilhões de tweets dentro da plataforma. Um novo recorde para o gênero líder dos assuntos mais falados da rede, que no ano anterior havia somado 6,7 bilhões.

Com o avanço da vacinação e a flexibilização das políticas de combate à Covid-19, os artistas pop sul-coreanos já estão voltando a fazer shows presenciais. Em novembro de 2021, o BTS quebrou o recorde de venda de ingressos com quatro datas esgotadas no Estádio SoFi, em Los Angeles. Na própria Coreia do Sul, grupos como o NCT 127 e o Twice já se apresentaram presencialmente, e vários outros eventos aconteceram com a presença de fãs na plateia.

Público lota estádio em Los Angeles para assistir a show do BTS

Melhores momentos dos shows Permission to Dance on Stage em Los Angeles

BTS esgotou quatro datas no estádio SoFi

Nesses 30 anos, a Coreia do Sul viu sua história mudar e muito se deve ao investimento do governo na cultura do país. A indústria do entretenimento foi uma das grandes responsáveis por ajudar a Coreia do Sul a superar a crise do final dos anos 1990, a crescer economicamente durante os anos 2000 e a se manter mesmo durante a pandemia da Covid-19. 

Com a retomada de eventos, o k-pop volta com o plano de expansão mundial e mostra que segue incansável. Ou melhor: está cada vez mais forte.

Informar Erro
Falar com a equipe

Tags

QUEM FEZ
Gabriela Ferreira

Gabriela Ferreira

Gabriela Ferreira é repórter de música e fissurada por música pop. K-popper desde 2018, é multi-stan e tem uma bias list maior do que o necessário.

Ver mais conteúdos de Gabriela Ferreira

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal