MÚSICA

Harry Styles posa para capa de Harry's House

Divulgação

Harry Styles

Como Harry Styles se desprendeu do One Direction e virou popstar solo

Músico britânico abusou do carisma, talento e beleza acima da média para atingir públicos que antes torciam o nariz para ele. Assim, virou também ícone fashion e astro de cinema

Nicolle Cabral

Nicolle Cabral

Nesta sexta-feira (20), Harry Styles finalmente lançou Harry’s House, o mais novo disco do artista, dois anos e meio após Fine Line (2019). O trabalho, seu terceiro em carreira solo, já emplacou o single As It Was e mostra o quanto o cantor se desprendeu do One Direction para se provar como um popstar que consegue brilhar sozinho.

Harry Styles em cena do clipe As It Was

Assista ao clipe de As It Was

É a primeira inédita de Harry Styles desde Fine Line (2019)

A Tangerina já havia adiantado tudo o que sabia sobre o novo lançamento do artista. E, como tudo que envolve Harry Styles faz o rosto do cantor pipocar nas redes sociais, a gente quis explicar um pouco do fenômeno do artista, que saiu de uma das maiores boybands dos anos 2010 para se tornar o sex symbol da geração Y e Z. Vamos lá?

Fim do One Direction: Cada um para um lado

Em 2015, Zayn Malik decidiu deixar o One Direction no meio da turnê On The Road Again. Na época, o artista justificou a saída do grupo por “estresse”. O que fez total sentido. A boyband dominou o início dos anos 2010 com estádios lotados, ingressos esgotados e uma febre incessante que perdurou pelos quatro discos, Up All Night (2011), Take Me Home (2012), Midnight Memories (2013) e Four (2014).

Após a saída de Zayn, Harry Styles, Louis Tomlinson, Liam Payne e Niall Horan seguiram a série de shows sem ele durante um ano e lançaram o disco Made in the A.M. (2015). Depois, o grupo oficializou um hiato —por tempo indeterminado— em 2016. Desde então, não se fala mais deles como uma banda.

O primeiro a sair na frente na corrida solo foi, claro, Zayn. Mind of Mine, de 2016, marcou a estreia do músico fora da boyband. O disco trouxe o single Pillowtalk, cujo clipe era estrelado por Gigi Hadid, ex-namorada do músico e, agora, musa do TikTok. Já no primeiro lançamento, o artista cravou que se distanciaria do pop feito pelo One Direction. A proposta musical de Zayn estava focada na atmosfera do R&B e do neo-soul, ritmos supercontemporâneos. Atualmente, o artista conta com três discos no currículo, Icarus Falls (com 27 faixas!) e Nobody Is Listening.

O disco de estreia

No mesmo ano do anúncio do hiato, Styles já trabalhava nas próprias canções. Porém, o primeiro lançamento oficial só aconteceu em 2017. Harry Styles, o disco, teve uma proposta ousada, pois mistura elementos do soft-rock e do folk, mas foi automaticamente bem recebido pelos fãs e pela crítica especializada. Com o registro, o artista ocupou as primeiras posições em mais de dez países nos charts da Billboard, incluindo o Brasil e os Estados Unidos. As canções Meet Me in the Hallway, Sign of the Times e Kiwi ficaram em destaque no projeto.

Após a estreia estrondosa de Harry, chegou a vez de Niall Horan nos apresentar Flicker. Sonoramente, o artista investiu em uma pegada mais folk. Três anos depois, lançou Heartbreak Weather, que não teve tanto alarde comparado aos lançamentos dos outros ex-parceiros.

O que chegou por último também acabou ficando para trás no número de lançamentos: Liam Payne só tem LP1 na discografia. Em contrapartida, ele se reuniu com dois grandes músicos conhecidos por fazer um pop chiclete, Ed Sheeran e Charlie Puth.

Neste breve comparativo, é possível notar que cada um dos integrantes teve os seus méritos e esforços, porém, nenhum repetiu a versatilidade, prestígio e números de Styles.

Um pulinho no cinemas

Além da carreira como músico, Harry soube direcionar sua energia para outras esferas do entretenimento. Em 2017, ele foi convidado pelo diretor Christopher Nolan a estrelar Dunkirk, longa ambientado durante a Batalha de Dunquerque, entre maio e junho de 1940.

Harry Styles em cena de Dunkirk

Assista à cena de Dunkirk

Nolan elogiou a atuação do artista na produção

Além dos nomes conhecidos presentes no filme (Cillian Murphy, Kenneth Branagh e Mark Rylance), o diretor quis explorar novos rostos para a produção. E Styles serviu muito bem para o papel. A produção chegou até a ser indicada nas principais categorias do Oscar do ano seguinte, mas acabou vencendo só nas categorias técnicas: melhor edição, edição de som e mixagem de som.

Desde a participação no filme de Nolan, o artista se envolveu em outras produções cinematográficas, como Não Se Preocupe Querida, dirigido por Olivia Wilde, com previsão de lançamento para outubro de 2022, My Policeman (2022), além de ganhar um papel no Universo Cinematográfico Marvel. Styles aparece como Eros, irmão do vilão Thanos, na cena pós-créditos de Eternos.

Ícone fashion de uma geração

Desde a época de One Direction, Harry Styles era visto nas semanas de moda espalhadas pelo mundo, especialmente a de Londres, quando foi oficialmente convidado para ver o desfile da Burberry. Em 2013, ele passou a experimentar novos jeitos de se vestir, e marcas e estilistas começaram a prestar mais atenção no jovem músico. Não à toa, ele foi o primeiro artista masculino a levar o prêmio do British Fashion Awards, na categoria British Style, naquele ano. Em 2015, ele foi flagrado vestindo Gucci.

A autenticidade e a extravagância do artista, contudo, passaram a ser mais presentes em 2017, a partir do lançamento do primeiro disco solo. Foi quando marcas como Saint Laurent, Alexander McQueen e Calvin Klein viram a oportunidade de vestir o artista em sua turnê mundial. Figurinos brilhantes, florais, cores vivas e roupas cheias de babados chamavam a atenção. E isso impactou diretamente no consumo de roupas de gênero fluído —Styles, portanto, viria a se tornar um desses representantes da moda.

Salto alto, esmaltes coloridos, colar de pérolas e paetês viraram itens presentes no guarda-roupa do artista britânico. No BRIT Awards de 2020, ele, inclusive, vestiu um terninho da coleção feminina de Marc Jacobs. O item havia sido usado anteriormente apenas por Lady Gaga. No mesmo ano, em dezembro, Styles posou para a revista Vogue americana de vestido longo e saia. A declaração do artista, na época, foi de que “as roupas existem para se divertir”.

Essa aparição do artista dividiu opiniões, mas levantou debates sobre a fluidez de gênero nas roupas. Lembrando, claro, o fato de que Styles não foi pioneiro nisso. Prince, David Bowie e Billy Porter são alguns dos artistas que questionaram os limites de gênero quando o assunto é moda. Mas, para a geração que veio da leva do One Direction, esta abertura é muito positiva —e influente.

Por falar em influência, depois de Harry ter aparecido com um cardigan de patchwork da JW Anderson, a peça virou uma das mais cobiçadas do TikTok. Em agosto de 2020, a For You Page foi tomada por pessoas que se aventuraram no tricô para tentar fazer um casaco igual ao do artista. Harry também foi chamado para ser um dos apresentadores do MET Gala 2021 e garoto-propaganda de um perfume da Gucci.

Harry Styles estrela na campanha da Gucci

Assista Harry estrelar a campanha da Gucci

Michelle, sucesso de John Lennon e Paul McCartney, é trilha da produção

A era Fine Line

Quando Harry Styles, enfim, decidiu lançar um segundo disco, ele passou seis semanas em Malibu ao lado dos produtores Jeff Bhasker e Tyler Johnson. Juntos, conceberam Fine Line, um dos álbuns mais aclamados de 2019 —e que reverberou ao longo de todo o ano seguinte.

Como referências para o projeto, ele se inspirou em Cosmic Dancer, de T. Rex, Paul McCartney na era Wings e David Bowie dos anos 1990. No disco, Styles pôde reafirmar a posição de popstar —porém com um pezinho na década de 1970. Um posto que coube muito bem para ele.

Segundo os dados divulgados pela Sony Music, Fine Line foi o projeto de música mais vendido da gravadora durante todo aquele ano. Nos seis primeiros meses do lançamento, a obra também conquistou a terceira maior venda no Reino Unido.

Watermelon Sugar, grande hit do disco, conquistou também a quarta posição da Billboard no Reino Unido e o primeiro lugar no Hot 100 dos Estados Unidos. Além disso, Fine Line foi notado pela Academia da Gravação e teve três indicações ao Grammy 2021: melhor álbum vocal de pop, melhor performance solo de pop (Watermelon Sugar) e melhor vídeo de música (Adore You). Ele fez uma elogiada apresentação na cerimônia.

Assista a apresentação de Harry Styles no Grammy

O artista performou o grande hit do disco, Watermelon Sugar

Em 2020, Styles também teve o disco de vinil mais vendido do ano, segundo dados da MCR Data. Foram 232 mil cópias vendidas entre 3 de janeiro e 31 de dezembro.

Dos ex-integrantes do One Direction, Liam Payne, Niall Horan e Zayn Malik também alcançaram o topo da parada com um single de sucesso, porém Styles foi o único a conquistar duas vezes o topo da Billboard (Adore You e Watermelon Sugar).

Talvez a carreira solo do artista não tenha o mesmo fervor adolescente que o One Direction causou, unicamente por ser uma boyband. Mas, como artista solo, Styles usou o que tem de melhor —carisma, talento e beleza acima da média— e encontrou caminhos mais instigantes do que os demais integrantes. Assim, chegou também a públicos que talvez nunca o notassem se não fosse pela pausa do 1D.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Nicolle Cabral

Nicolle Cabral

Antes de ser repórter da Tangerina, Nicolle Cabral passou por Rolling Stone, Revista Noize e Monkeybuzz. Nas horas vagas, banca a masterchef para os amigos, testa maquiagens e cantarola hits do TikTok.

Ver mais conteúdos de Nicolle Cabral

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal