Netflix perde menos clientes e prevê anúncios já para 2023 - Tangerina

CONSUMO

Sadie Sink

Reprodução/YouTube

BOAS NOTÍCIAS?

Netflix perde menos clientes que o esperado e prevê anúncios para 2023

Com sucesso de Stranger Things e Arremessando Alto, a Netflix registrou uma queda de 'apenas' 1 milhão de clientes entre abril e junho deste ano

Luciano Guaraldo

Depois de um primeiro trimestre do terror, no qual perdeu assinantes pela primeira vez em dez anos e viu suas ações derreterem, a Netflix seguiu a máxima do “reduza as expectativas para diminuir a decepção” com o período de abril a junho. O streaming previu que registraria uma queda de mais 2 milhões de clientes (dez vezes mais que os 200 mil que cortaram seus contratos no início do ano) e se deu bem: “apenas” 1 milhão de assinantes cancelaram o serviço.

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (19) para os acionistas da empresa, a Netflix fechou junho com 220,67 milhões de clientes ativos, uma queda de 970 mil em relação ao trimestre anterior, mas um aumento de 5,5% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Com a receita da plataforma em alta (por causa do aumento dos preços cobrados), os acionistas da Netflix não têm do que reclamar. E a empresa já prevê que deve voltar a crescer em número de assinantes já no próximo semestre: a expectativa é de fechar setembro com 221,67 milhões de contratos, índice um pouco superior ao registrado até março deste ano.

Os lucros ainda devem aumentar no início de 2023, quando o serviço pretende implantar um novo plano, mais barato, mas com interrupções publicitárias. A Netflix fez uma parceria com a Microsoft para a venda de anúncios. “Eles estão investindo pesado para expandir seu negócio publicitário para a televisão premium, e estamos empolgados em trabalhar com um parceiro de presença global tão forte”, informou a empresa no comunicado aos acionistas.

Ainda não foi revelado se o Brasil será um dos primeiros países a receber esse novo plano com anúncios. Segundo o comunicado, eles devem implantar o sistema inicialmente em alguns países onde o gasto com publicidade é significativo. “Nossa ideia é introduzi-lo, ouvir a resposta dos assinantes, aprender com eles, e nos movermos rapidamente para melhorar a oferta. Daqui a alguns anos, nossa publicidade será bem diferente daquela do primeiro dia.”

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Luciano Guaraldo

Editor-chefe da Tangerina. Antes, foi editor do Notícias da TV, onde atuou durante cinco anos. Também passou por Diário de São Paulo e Rede BOM DIA de jornais.

Ver mais conteúdos de Luciano Guaraldo

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal