Os idols da série Além do Guarda-Roupa
K-Drama

Além do Guarda-Roupa: Série sobre idols promete revolução no k-drama

Em uma visita ao set de filmagem, a Tangerina conversou com os idols sul-coreanos Woojin, Jae Chan, Jin Kwon e Min Wook sobre a importância e a dedicação em Além do Guarda-Roupa, primeiro k-drama brasileiro da HBO Max

Montagem/Tangerina

Jessica Pinheiro

Jessica Pinheiro

Navegue pela notícia

Em um espaço escuro e enfeitado com luzes de néon, o quarteto sul-coreano composto por Kyung, Dae Ho, Chul Woo e Sang Mok ensaia o comeback do grupo fictício de k-pop ACT. Logo após a animada e envolvente apresentação do ato, os executivos da agência dos meninos entram no local, apenas para presenciarem um atordoado Kyung deixar o salão às pressas. Ele esbarra com os recém-chegados engravatados sem nem ao menos cumprimentá-los, e logo em seguida Dae Ho, Chul Woo e Sang Mok seguem o idol para entender o que aconteceu, já que tudo parecia bem.

Na cena seguinte, os corredores externos do teatro B32, localizado na região de Itaim Bibi, em São Paulo, testemunham o quarteto discutindo entre si. Sang Mok e Kyung se desentendem a ponto de quase partirem para a violência física, mas são impedidos pelos demais companheiros do boy group, e apartados por Chul Woo e Dae Ho, respectivamente. Os ânimos alterados dos rapazes chamam até mesmo a atenção de um executivo superior, que faz uma aparição breve, mas imponente. O clímax dramático atinge seu ápice, até que a voz da diretora emerge com a fala “corta”, encerrando as gravações do dia.

A experiência de acompanhar uma parte das gravações de Além do Guarda-Roupa proporcionou mais do que uma celebração da cultura pop sul-coreana que vem dominando o mundo: a produção é também um marco, pois é o primeiro k-drama 100% gravado em território brasileiro com imigrantes e idols em destaque no elenco. E, à convite da HBO Max, a Tangerina teve a oportunidade de conferir de perto esse importante avanço na relação entre Brasil e Coreia do Sul.

Cena de Além do Guarda-Roupa

Primeiro dorama brasileiro da HBO Max foi gravado no Bom Retiro, em São Paulo

Reprodução/HBO Max

Idols dedicados e lisonjeados

Apesar de tudo parecer perfeito frente às câmeras e em aparições ao vivo, os bastidores do quarteto ACT registram diferenças para além das criativas, e, enquanto trabalha em um comeback, o famoso boy group fictício de k-pop também encara questões pessoais. O arco de fortalecimento da relação entre Kyung, Dae Ho, Chul Woo e Sang Mok parece ser um dos pontos-chaves de Além de Guarda-Roupa.

Os integrantes do ACT são, inclusive, interpretados por idols reais da indústria de entretenimento sul-coreana, o que torna a experiência ainda mais imersiva. Kyung é vivido por Kim Woojin, ex-integrante do Stray Kids, enquanto Dae Ho é interpretado por Jin Kwon, membro do grupo Newkidd. Quem dá vida a Chul Woo é Jae Chan, do boy group XRO e, por fim, o papel de Sang Mok é de Lee Min Wook, premiado como melhor ator na 4ª edição do DIMF Musical Star e destaque do musical Grease, de 2019.

Todos foram meticulosamente selecionados para seus papéis e, em um bate-papo com a Tangerina, cada um dos idols enfatizou que a oportunidade de estarem protagonizando uma produção deste escopo é emocionante. Jae Chan, que faz o papel de Chul Woo na série, por exemplo, afirmou que se sentiu tocado pela novidade. “É algo inédito a gente gravar o primeiro k-drama [brasileiro], que está relacionado ao k-pop também, e não é nem na Coreia. A gente veio para o Brasil gravar essa obra. É uma honra e eu sou muito grato à HBO Max, que abriu esse espaço.”

Group ACT de Além do Guarda-Roupa

Da esquerda para a direita, os idols: Jae Chan, Jin Kwon, Woojin e Min Wook

Reprodução/HBO Max

Já Woojin, que dá vida ao idol Kyung, disse que quando ouviu falar sobre as audições e soube que Além do Guarda-Roupa seria o primeiro drama sobre k-pop produzido no Brasil, começou a se engajar mais. “Me senti mais inspirado e com mais garra para conseguir esse papel”, revela o artista, que continua: “Tudo que acontece de pioneiro a gente acaba ganhando um pouco mais de destaque e uma relevância maior”. O ex-integrante do Stray Kids afirma ainda que a seleção para o elenco foi concorrida. Por isso, ele se preparou bastante, colocando bastante esforço e dedicação. “É uma honra estar aqui”.

“Se você vir nosso roteiro e a sinopse, percebe que [Além do Guarda-Roupa] é focado na cultura coreana, então me sinto lisonjeado de poder participar de uma obra que tem a oportunidade de divulgar a nossa cultura e, por isso, estou me dedicando bastante nas gravações”, acrescenta Jin Kwon, que interpreta Dae Ho no k-drama.

Min Wook, por fim, revelou que não imaginava fazer parte de Além do Guarda-Roupa e que, quando ele passou na primeira fase, ficou bravo porque acreditava que não teria chances de avançar para as próximas etapas. “Mas o processo e a preparação para os testes foram tão divertidos que, se eu não tivesse ido para a segunda e terceira fase, já teria ficado feliz por ter aprendido tanto”, diz o intérprete de Sang Mok. “Eu me preparei tanto e me esforcei tanto que não vou me arrepender.”

Essa é a mistura de Brasil com Coreia

Cena de Além do Guarda-Roupa

Sharon Blanche, filha de imigrantes coreanos, é a protagonista Carol

Reprodução/HBO Max

A produção da HBO Max é também gravada no Bom Retiro, na região central de São Paulo, que reúne uma grande parcela da comunidade coreana no Brasil. Além dos quatro idols do fictício ACT, o k-drama conta com Sharon Blanche, filha de imigrantes coreanos que interpreta Carol, uma adolescente de 17 anos e aspirante a bailarina que quer se distanciar de tudo que vem da Coreia desde que foi abandonada pelo pai. Após a morte da mãe, uma brasileira, a jovem divide sua rotina entre estudar e ajudar a tia em um café temático de k-pop no bairro em que a série é gravada.

Por obra do destino, a vida de Carol vira de cabeça para baixo quando ela descobre que seu guarda-roupa é um portal mágico para o dormitório do ACT. Após isso, ela tem seu espaço invadido pelos integrantes do maior grupo masculino de k-pop do mundo e vive uma jornada de descobrimento, pertencimento, romance, música e desencontros culturais. Blanche, que fala coreano fluentemente, não estava presente no dia da visita ao set. 

Embora exista uma enorme distância física e cultural entre os países, para Woojin isso não é exatamente verdade. O idol reflete que a separação entre Brasil e Coreia não é tão grande quanto parece, e muito disso é por conta do k-pop, que tem se propagado pelo mundo inteiro. “Com essa onda coreana indo para todos os cantos, acredito que isso seja uma oportunidade para muitos trainees e pessoas que estão começando a carreira nesta indústria.”

Além do Guarda-Roupa/HBO Max

Além do Guarda-Roupa é o primeiro k-drama brasileiro com artistas coreanos e imigrantes em destaque

Montagem/Tangerina

Min Wook acrescenta que existe uma beleza e um charme quando as pessoas sentem empatia, mesmo com todas as diferenças, seja entre elas ou entre culturas. “Estamos em um país que tem outra cultura, outra música e outro estilo de produções audiovisuais. E mesmo assim conseguimos proporcionar experiências novas. Acredito que existe uma combinação disso tudo e por isso estamos aqui.”

O k-drama brasileiro, entretanto, não deixa nada a dever para as produções coreanas, se assemelhando bastante em termos de atmosfera e ambientação. Para Jin Kwon, por exemplo, a maior diferença aconteceu nos ensaios. “A gente viu que, antes das gravações, tinha um momento para reunir atores, diretores e elenco, e ensaiar antes de começar as filmagens. Na Coreia isso não acontece. Geralmente, a gente tem uma leitura oficial do roteiro e depois vai direto para as gravações.”

Ainda que a produção misture elementos de k-pop e k-drama, as músicas não foram produzidas pelo quarteto de idols na vida real; existe uma, porém, em que eles estiveram envolvidos na composição. A coreógrafa se mostrou impressionada com a disciplina dos artistas sul-coreanos e revelou que, às vezes, eles mesmos pedem para ensaiar as performances, mesmo nos dias em que estão de folga. Por outro lado, Jin Kwon, Woojin, Jae Chan e Min Wook ficaram maravilhados com o fato de terem espaço para improvisarem, participarem e, por tabela, darem mais personalidade para as apresentações.

Além do Guarda-Roupa/HBO Max

Pyong Lee interpreta PJ, agente do grupo de k-pop ACT na série

Reprodução/HBO Max

O hipnólogo Pyong Lee, ex-participante do BBB 20, também está na produção, interpretando JP, o empresário do ACT. “Quando eu era criança, tinha um sonho de ser ator. Atuar em coreano era uma coisa totalmente fora da realidade, imagina no Brasil? Então está sendo surreal participar!”, comenta o ator à Tangerina. “Tô bem feliz e está sendo um pouquinho desafiador decorar as falas em coreano, porque eu nasci aqui, fui alfabetizado em coreano, mas não sou nativo.”

Quando estreia Além do Guarda-Roupa?

O projeto Além do Guarda-Roupa existe desde antes da pandemia, mas só agora toma forma por meio da produtora Coração da Selva, além de carregar o selo HBO Max Originals. A previsão de término das gravações é para o final de junho de 2022, mas a estreia talvez aconteça apenas no primeiro semestre de 2023, exclusivamente na HBO Max. Woojin alerta que a espera vale a pena: “Vocês não vão se decepcionar, aguardem”.

Serão oito episódios de cerca de meia hora cada, e, de acordo com Jin Kwon, “as imagens estão lindas”. Ele, que tem acompanhado o roteiro e às vezes monitorado o que está sendo filmado, assegura: “Tenho certeza de que vocês vão ficar felizes com o resultado”. Jae Chan, por sua vez, enfatiza que o público deve gostar da química entre o elenco brasileiro e o coreano. E Min Wook declara: “A gente tem uma equipe maravilhosa, a direção, os estafes, todo um time cheio de pessoas e talentos com muita paixão pelo que fazem. Estamos trabalhando duro”.

Galeria
1 / 0
ACT de Além do Guarda-Roupa
ACT de Além do Guarda-Roupa
ACT de Além do Guarda-Roupa
ACT de Além do Guarda-Roupa

Até a estreia do k-drama, a base de fãs dos idols já pode pensar em um nome para o fandom oficial do ACT. Pois, de acordo com Min Wook, o grupo pode sim se tornar real, dependendo da resposta do público e da procura dos telespectadores pelo talento dos idols —algo com potencial para inovar a indústria de k-pop. Se depender do que presenciei no dia da visita ao set de filmagem, o quarteto já está mais do que aprovado.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Jessica Pinheiro

Jessica Pinheiro

Repórter da Tangerina, Jessica Pinheiro já cobriu games e tecnologia em veículos coo IGN Brasil, Loading TV e The Enemy. É streamer nas horas vagas e nasceu no Ceará, mas infelizmente não tem sotaque. Ama karaokê e também assina a Koluna Pop, onde traz todas as novidades do universo do k-pop.

Ver mais conteúdos de Jessica Pinheiro

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?