FILMES E SÉRIES

Alicia Von Rittsberg

Divulgação/Starzplay

ALICIA VON RITTBERG

Estrela de Becoming Elizabeth sofreu para viver adolescente

Nova série do Starzplay, Becoming Elizabeth estreou na plataforma no domingo e conta a história da juventude de Elizabeth Tudor

André Zuliani

Nova série do Starzplay, Becoming Elizabeth estreou no catálogo da plataforma no domingo (12) e conta a história da juventude e ascensão de Elizabeth Tudor (1533-1603), conhecida como a rainha Elizabeth 1ª, uma das grandes monarcas do Reino Unido. A atração tem como protagonista a atriz alemã Alicia von Rittberg (Coração de Ferro), que aos 28 anos tem uma idade muito superior aos 15 de sua personagem na primeira temporada.

Escalar uma atriz ou ator para interpretar um personagem (muito) mais novo do que sua idade real é algo comum na indústria cinematográfica. Contudo, isso não significa que os selecionados tenham facilidade para incorporar uma pessoa tão mais jovem —e tornar sua interpretação mais crível.

Em entrevista exclusiva à Tangerina, Alicia confessou que sofreu para conseguir dar vida à versão adolescente de Elizabeth e que precisou da ajuda de terceiros para incorporar a personagem no início.

“Eu tive dificuldades. Eu pedi ajuda a alguém que me auxiliou a fazer certos movimentos e outras coisas. Eu dizia: ‘Como faço isso? Como você interpreta alguém tão novo assim? Qual é a diferença?’. Porque você não quer apenas se mover depressa ou fazer coisas engraçadas. Não dá pra ser apenas isso”, revelou.

Para conseguir interpretar Elizabeth, Alicia diz que precisou se reconectar com algumas sensações da sua adolescência. Parte do processo significou esquecer de algumas responsabilidade da vida adulta e focar apenas em um único objetivo.

“O que esta pessoa me sugeriu foi: ‘Lembra-se de quando você era mais nova? Você focava 100% em apenas uma coisa’. Se você faz isso, você concentra toda a sua energia. Hoje em dia, enquanto eu estou aqui, também estou pensando no e-mail que deixei sem resposta, na minha janta e em outras 10 mil coisas. Quando você é mais novo, você devota a sua energia a apenas uma coisa e funciona porque, sabe, é a energia de alguém com 15 anos. É algo que eu quero levar para o resto da minha vida”, completou.

Idade não foi a única dificuldade

Interpretar uma personagem muito mais jovem não foi a única dificuldade de Alicia na preparação para Becoming Elizabeth. Por ter nascido na Alemanha, a atriz disse ter pouco conhecimento prévio sobre a história de Elizabeth Tudor. Ela só entendeu de fato quem foi a monarca ao começar a estudar sobre a sua vida para atuar na série.

“Eu a conhecia apenas dos livros de escola, era uma figura histórica muito distante. Ao ler o roteiro [da série] e ver a garota, a mulher por trás da lenda, ficou mais fácil de me relacionar com a personagem. Me fez entender que o mundo não é preto no branco. Há uma razão para ela ter se tornado esta monarca tão importante, a Rainha Virgem. Para mim, é simplesmente incrível descobrir o ser humano por trás da figura política. É essa a importância de uma série como Becoming Elizabeth”, concluiu.

Tom Cullen

Tom Cullen em Becoming Elizabeth

Divulgação/Starzplay

A falta de conhecimento sobre os personagens da série não foi um problema apenas para Alicia. Tom Cullen, que interpreta o galã ambicioso Thomas Seymour, contou à reportagem que também só foi se familiarizar com a história da vida real ao começar a se preparar para o papel.

“Para ser honesto, eu não sabia muita coisa. Eu ouvi o nome dele e li em alguns livros, então sabia que tinha alguma importância. O que eu não sabia nada era de sua participação nesta parte específica da vida de Elizabeth. Fiquei em choque quando descobri. Eu ficava cada vez mais intrigado conforme lia o roteiro. O personagem que Anya [Reiss, criadora da série] desenvolveu é tão complexo. É apaixonante, engraçado, mas também cabeça-dura e impulsivo. Ele é carinhoso e também tão manipulador. Eu fiquei muito empolgado com a oportunidade”, detalhou o ator.

Ator ficou triste com histórias cortadas

Descobrir mais detalhes sobre a história real de Seymour fez com que o astro da série ficasse triste com certas ausências do roteiro. Segundo Cullen, Anya Reiss precisou deixar de fora da primeira temporada vários casos interessantes que aconteceram na vida real.

“Há uma parte importante da história do personagem, de quando ele é nomeado almirante, que fiquei muito triste por ter ficado de fora da série. Ele virou almirante sem ter qualquer experiência em navegação. Quem lhe deu o título foi seu irmão e, tomado por ciúme, Seymour tentou reunir um exército para tirar o irmão do posto de protetor do rei. Ele negociou com piratas irlandeses e espanhóis para isso. Fiquei triste que ficou de fora, mas é uma série sobre Elizabeth e não sobre Thomas Seymour”, justificou.

Com mais de 16 anos de carreira, Cullen atuou em outras séries de época como Downton Abbey (2010-2015) e Knightfall (2017-2019). Questionado pela Tangerina sobre o motivo de este tipo de produção ainda fazer sucesso entre o público, o astro citou a possibilidade de conectar, pela ficção, a vida à morte.

“Há várias razões para esse sucesso. Primeiro que é puro entretenimento, é muito divertido assistir a essas séries na TV. É um tipo de escape do mundo. Mas também acho que há uma fascinação de nós, como humanos, entender como nós éramos e de onde viemos. Sabe, a história é cíclica e se repete. A linha entre vida e morte é tão fina. Para nós do Reino Unido, da nossa história, ver vida e morte sentadas uma ao lado da outra é inspirador. É um pensamento quase abstrato. E isso ajuda a criar bons dramas”, encerrou.

O Starzplay disponibiliza um novo episódio de Becoming Elizabeth todas as semanas, sempre aos domingos.

Alicia Von Rittberg

Becoming Elizabeth - 1ª temporada

Assista ao trailer

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

André Zuliani

Repórter de séries e filmes. Viciado em cultura pop, acompanha o mundo do entretenimento desde 2013. Tem pós-graduação em Jornalismo Digital pela ESPM e foi redator do Omelete.

Ver mais conteúdos de André Zuliani

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal