FRESQUINHAS!

Camila Cabello lança terceiro álbum da carreira, Familia

Divulgação

Fresquinhas!

De Camila Cabello a Matuê: O que ouvir entre os lançamentos da semana

Preparem os ouvidos para dar play nos lançamentos mais importantes da semana. Tem também Jack Johnson, Chlöe, Jack Harlow e mais

Dora Guerra

Dora Guerra

Bom dia para os seguintes grupos de pessoas: 1) os que compraram ingresso pra ver Justin Bieber ou Dua Lipa no Rock in Rio; 2) os que ficaram horas (ou minutos) na fila, só para depois descobrir que todos esgotaram; 3) os que compraram com calma um ingresso para os dias de rock, afinal roqueiros aparentemente são o tipo mais tranquilo de fã de música hoje; 4) e, por fim, um bom dia pra quem não comprou nem pretende comprar e vai ver o RiR pela TV mesmo, com uma cervejinha na mão.

Todos vocês merecem um bom dia. Nesta sextinha do que já é o quarto mês do ano, temos lançamentos de trap, pop, R&B, indie e Brisa Star (que constitui um gênero musical à parte). Esta semana está surpreendentemente movimentada e tenho certeza que você vai achar uma música que soe bem aos seus ouvidos. Vem cá:

Refresque-se, amor

Camila Cabello – Familia
Infelizmente pra eles, álbuns pós-término são sempre ótimos

Qualquer bom latino sabe o valor da família —a de sangue, sim, mas a que a gente arruma no caminho também. Em seu segundo álbum, Camila Cabello expõe um pouco dos dois: das suas raízes à companhia dos últimos anos, com quem terminou recentemente. Afinal, juntar as escovas de dente durante a pandemia e dividir medos e alegrias no meio de todo esse caos é, por si só, uma definição muito forte (e nova) de família.

Explorando todas as conotações da palavra, Familia é um disco mais denso que o anterior, bem mais gostoso de ouvir; passeia por influências do lado de cá como a salsa, rumba e mariachis, assim como traz doses de disco e pop. É divertido, mas tem lá suas doses de tristeza, “así es la vida, si”.

Entre o passado e presente de Camila, o álbum vale super a pena, expondo uma artista pop que assume bem suas fraquezas; na verdade, minha única crítica é que alguns feats quebram um pouco o tom confessional —por mim, o disco seria inteiramente dela.

E isso vem de alguém que nunca foi fã da Camila.

Camila Cabello lança terceiro e novo disco da carreira, Familia

Assista ao clipe de Bam Bam

O registro já coleciona mais de 38 milhões de visualizações

Chlöe – Treat Me
Lá vem ela, a afilhada da Beyoncé

Desde o lançamento de Have Mercy, Chlöe tem demandado atenção total. Na dupla com sua irmã Halle, ambas esbarram na sensualidade mas permanecem no território do R&B sugestivo, que mescla o popzão com o conceitual; sozinha, Chlöe é mais pé na porta, apadrinhada por Beyoncé, mas também mirando em Janet Jackson.

Essa postura —meio unapologetic, meio boss bitch e mais alguns termos que não se traduzem perfeitamente no português— aparece nitidamente em Treat Me, segundo single solo da artista. É daquelas faixas que pedem desesperadamente por um clipe (e o recebe em altíssimo nível); seguindo a linha de Bey, Chlöe é uma mulher que, ao entrar na sala, você só pede desculpas. Pra quem aprecia a tal da “pop perfection”, tá aí um prato cheio.

Assista ao clipe de Treat Me

O single veio acompanhado de um clipe elegante

Matuê, Teto & Wiu – Vampiro
Pra boa fã de Crepúsculo, vampiros nunca são demais

Quando se trata de artistas feito Teto, Matuê e Wiu, custo a acreditar que tudo não seja de propósito —a equipe do 30PRAUM é gente muito boa de marketing, do tipo que transforma tudo que toca em ouro. Mas a história de Vampiro não foi proposital e teve uma série de problemas: vazou antes de estar pronta e foi finalizada às pressas, sem clipe, nem nada. Independente disso, já disparou assim que foi lançada, no final da semana passada.

Gostar de Vampiro —faixa que completa a “trilogia vampira”, ao lado de Quer Voar e Groupies— depende do quanto você curte o trap-quase-pop de Matuê e colegas, claro. Pessoalmente, gosto do flow do Tuêzin e a tranquilidade que ele se vangloria de suas vitórias; a faixa também tem um sample legal de metais (que até me soa familiar, mas eu não soube localizar de onde é) e coros ao fundo. Curto quando o trap tem uns elementos melódicos pra não se basear só na voz efeituda. Ou seja, se é a sua praia, será fortemente a sua praia.

Father John Misty – Chloë and The Next 20th Century
Não confundir com a Chlöe do Chlöe x Halle

Muito curioso o Father John Misty lançar um álbum sobre uma tal de Chloë —assim mesmo, com trema no E— no mesmo dia que a Chlöe Bailey lança música; estou achando que Josh Tillman anda lendo o BCharts.

De qualquer forma, esse novo disco de Father John Misty não vem totalmente sem surpresas: começa literalmente com uma abertura, meio old Hollywood, na medida em que vamos acompanhando a história da protagonista e demais narrativas. O disco tem lá suas músicas classicamente-Father-John-Misty, mas quando você assusta, cai em mais jazz e vai parar até em uma bossa nova (em espanhol). Tipo uma good trip que é quase uma bad trip.

Chloë and The Next 20th Century é uma experiência longa, repleta de histórias para entender e músicas meio fantasiosas, como se você estivesse mesmo assistindo a um filme. Requer atenção, mas pode ser um bom mergulho —depende do quão contemplativo você está se sentindo hoje.

Syd – Broken Hearts Club
Tudo que a Syd cantar, eu ouço

C’est la vie: a artista Syd, também conhecida como “a voz deliciosa do The Internet“, começou esse álbum quando estava feliz e apaixonada —e acabou o completando depois de ter seu coração partido, o que mudou um pouco o tom do negócio. Em Broken Hearts Club, ela convida artistas como Lucky Daye, Kehlani e Smino pra ajudá-la a contar a história; o resultado é um álbum sincero, vulnerável, um R&B contemporâneo com olhos nos anos 1990. Bom para corações partidos e para os inteiros também.

Assista ao clipe de CYBAH

A parceria abraça a ficção-científica ao misturar ETs com mecatrônica num vídeo só

Outras em uma frase

Borges, Orochi, Chefin, Oruam, Bielzin – Assault (CARRO FORTE):
quase a mesma experiência de ouvir um podcast de true crime.

Jack Johnson – One Step Ahead:
até que ficou um pouco diferente de todas as outras!

Jack Harlow – First Class:
sample de MILHÕES.

Vince Staples – Ramona Park Broke My Heart:
sabor.

FKJ, Santana – Greener:
uiuiuiuiuiui!!

Brisa Star, Gabi Martins – Quem Jura Mente:
Brisa, querida, volta pro Zé Vaqueiro…

—————————————————————————————————————————

E com a playlist atualizadíssima, me despeço de vocês por hoje. Peço desculpas se ofendi alguém que está com estresse pós-traumático depois de ficar horas tentando comprar um ingresso, inclusive. Você não merece esse sofrimento.

Se estiver no clima, ouça tudo o que vir por aí —achei o dia repleto de lançamentos 4 em 5, o que é sempre uma grata surpresa. E se ouvir algo gostoso por recomendação da coluna, curte, compartilha, se inscreve no canal, assina o Only Fans.

Brincadeira. Não me procure no Only Fans.

Quer ficar por dentro de todas as músicas novas do momento? Fica de olho na Tangerina que todas as semanas entregamos novidades fresquinhas pra você.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Dora Guerra

Dora Guerra

Dora Guerra é pesquisadora musical e pensa mais sobre o tema do que deveria. Na Tangerina, publica a coluna Fresquinhas!, sobre lançamentos musicais. Suas posses incluem: a newsletter Semibreve, o podcast Queijo Quente, uma vira-lata caramelo, alguns vinis e uma vitrola estragada.

Ver mais conteúdos de Dora Guerra

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal