MIX

A atriz Dedina Bernardelli como a Selina em Ilha das Bruxas

TV Manchete/Acervo

COISAS DA MANCHETE

Maldição? Pantanal se liga a O Caso Evandro por bruxaria

Uma minissérie feita para recuperar a audiência da primeira versão de Pantanal foi crucial para as 'bruxas de Guaratuba' de O Caso Evandro

Daniel Farad

Uma reviravolta nas investigações sobre o desaparecimento de crianças no litoral no Paraná no início dos anos 1990 fez o documentário O Caso Evandro (2021) voltar a ser um dos títulos mais assistidos do Globoplay. A série, curiosamente, divide espaço na plataforma com o remake de Pantanal –cuja versão original ajudou a inflar indiretamente o imaginário popular contra as “bruxas de Guaratuba”.

A expressão foi usada para se referir pejorativamente a Beatriz e Celina Abbage, por supostamente terem sacrificado Evandro Ramos do Caetano em um ritual macabro em 1992. Elas dizem que, diante da pressão popular e da mídia, foram torturadas até confessar um crime que não tinham cometido. Hoje, mãe e filha buscam reverter as perdas na Justiça.

O termo vem justamente da minissérie Ilha das Bruxas (1991), que se tornou um dos trunfos da extinta Manchete para manter o interesse do público diante do fim de Pantanal. Ela foi ao ar menos de três meses depois do último capítulo do folhetim de Benedito Ruy Barbosa, quando A História de Ana Raio e Zé Trovão (1991) já não mantinha mais os números de audiência.

A rede dos Bloch colocou todas as cartas na mesa para bombar a série e estancar a fuga do público, como anunciar que a trama era baseada em fatos reais. Outro ponto forte era a produção ser “proibidona”. Ou seja, tinha a classificação indicativa de “não recomendada para menores de 18 anos”.

A estratégia funcionou, e Ilha das Bruxas ficou na cabeça do público mais do que séries que foram exibidas concomitantemente com Pantanal, como Rosa dos Rumos (1990) e Mãe de Santo (1990). O imaginário era tão forte que as pessoas ainda se lembravam de Ludovica (Miriam Pires) quando Evandro desapareceu em 1992.

Bruxas à solta

O cenário de Ilha das Bruxas também contribuiu para a associação com o caso Evandro, já que se passava no Estado vizinho de Santa Catarina. Um culto pagão de origem açoriana estava no centro da história, em que Pedro (Irving São Paulo) se tornava o interesse amoroso de poderosas feiticeiras –Ludovica e Selena (Dedina Bernardelli).

Uma das sequências mais fortes foi determinante para o apelido “bruxas de Guaratuba”: era uma em que um grupo de mulheres bebia o sangue de um bebê sequestrado durante um sabá –uma assembleia de magos feita durante a madrugada para invocar Satanás.

As pessoas, incitadas por uma série de reportagens e textos sensacionalistas, imediatamente ligaram a cena às descrições sobre a morte de Evandro. O coração dele teria sido retirado, assim como as principais vísceras (o fígado e o intestino, por exemplo), em um ritual para se abrir os caminhos durante as eleições municipais de 1992.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Daniel Farad

Repórter. Além do Notícias da TV, também se juntou ao Tangerina para combater a mesmice e o escorbuto. Escreve do Rio de Janeiro, onde se sente eternamente em uma novela do Manoel Carlos. Aqui, porém, a gente fala mexerica. Fale com o Daniel: [email protected]

Ver mais conteúdos de Daniel Farad

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal