O LADO FRUTA DA FORÇA

Linn da Quebrada

João Cotta/TV Globo

O Lado Fruta da Força

O Big Brother Brasil sempre foi sobre representatividade

Representatividade é uma das expressões do momento. Vamos entender mais sobre esse termo e por que ele está presente em qualquer produção da cultura pop

Christian Gonzatti

Christian Gonzatti

No Big Brother Brasil 2018, em que Gleici Damasceno, mulher pobre, negra e acreana, foi vencedora, Tiago Leifert fez um polêmico discurso em que declarou que “representatividade não leva a nada”. 

Tiago Leifert integra um grupo que vê questões de gênero, sexualidade e raça como “militância excessiva” e, para esse grupo, o reality show mais assistido do Brasil —e qualquer outro programa de entretenimento— não tem nada a ver com política, com ensinar as pessoas, com identificação. Representatividade, nessa leitura, é algo que só envolve o que é visto como “mimimi”. 

Bom, eu gosto muito da seguinte provocação: “Mimimi é a dor que não dói em ti”.

E se tem algo que homens brancos cis-héterossexuais tiveram a vida inteira na mídia, e em todos os espaços da sociedade, foi justamente representatividade. A falta dela nunca lhes causou dor alguma.

Mas afinal, o que é representatividade?

Há muita confusão na internet entre as definições de representação e representatividade. Representações de pessoas LGBTQIA+, pretas, mulheres e PCDs existem na mídia há muito tempo. Um produto midiático, seja o BBB ou um filme da Marvel, sempre vai ter representações de muitas coisas, incluindo de grupos sociais. 

A questão é que nem sempre essas representações foram positivas ou contemplaram determinados grupos. E aí entra a representatividade. A representatividade é uma qualidade conferida à representação, quando estamos pensando na mídia. 

Podemos imaginar, portanto, um grau de representatividade. Existem produções mais representativas e outras menos representativas para determinados grupos. 

Quando personagens gays serviam apenas de chacota para o público, sendo interpretados e escritos por homens cis-hétero, tendo a a expressão da sua sexualidade apagada, obviamente estamos falando de uma produção com representação negativa e com quase nada de representatividade.

Já quando temos uma travesti como Linn da Quebrada, com um portfólio artístico muito crítico em relação à LGBTQfobia, participando do reality show com maior visibilidade no país e não escondendo de ninguém a sua identidade, como Ariadna Arantes, primeira participante trans do BBB, precisou fazer pelo contexto de uma sociedade ainda mais transfóbica que a de hoje, estamos vendo algo que é mais representativo. 

Linn da Quebrada

Linn da Quebrada foi a 13ª eliminada do BBB 22

Reprodução/TV Globo

E por que BBB tem a ver com representatividade? 

O BBB é um jogo baseado em dinâmicas de sociabilidade e, portanto, sempre vai envolver representações de gênero e raça. Não surpreende que um grupo de três mulheres pretas seja tão atacado pela torcida de um homem cis-hétero médio como o Arthur. 

Inclusive, em um país transfóbico como o Brasil, tem muita gente que quis a eliminação da Lina por ela ser travesti. Não se sentiam representados por ela devido a uma série de preconceitos históricos. E se você acha que isso não existiu, basta abrir qualquer seção de comentários de portais em notícias sobre o BBB, ou os perfis do reality em qualquer rede social em conteúdos que mencionam a Lina. 

O BBB é, inclusive, centrado na representatividade. Nós “elegemos” a pessoa com a qual mais nos identificamos. E representatividade é identificação. Eu nunca vou torcer para alguém com quem eu não me identifico, que não me inspira.

Representações e representatividades sempre estão presentes em qualquer produto de entretenimento. Envolvem contradições e não são processos unicamente progressistas. Nem sempre vai ser avanço. 

Por exemplo: de tempos em tempos o reality é conquistado por um Marcelo Dourado. Hoje, o ex-brother mudou, mas teve diversas falas homofóbicas na sua edição, em 2010, ou uma Paula von Sperling, que fez muitos comentários racistas em sua participação, em 2019.

Arthur Aguiar e Linn da Quebrada

Arthur Aguiar e Linn da Quebrada: sister criticou o participante do BBB após eliminação

Reprodução/TV Globo

Arthur, que ao que tudo indica é o potencial vencedor dessa edição, cumpre um papel que o brasileiro médio ainda ama: a masculinidade do homem cis-hétero arrependido, sofrido, com a fala mansa, perseguido por ser vulnerável.

A sociedade ama homens que se arrependem dos seus erros. E eu não acho que isso seja ruim. O problema é que esse julgamento também é atravessado por gênero. Para mulheres, esse arrependimento não é permitido. 

Luísa Sonza não fez nada considerado errado no seu relacionamento, mas passou por um julgamento da internet após o fim de seu casamento com Whindersson Nunes. Desde então, ela ainda precisa lidar com diversos comentários odiosos, incluindo ameaças de morte.

É o que Wanda, a Feiticeira Escarlate, disse para o Doutor Estranho no trailer de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura: “Você quebra as regras e é visto como um herói. Eu quebro as regras e sou vista como uma inimiga”.

Isso porque para homens cis-hétero conquistarem a identificação do público sempre foi —e ainda é— infinitamente mais fácil.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Christian Gonzatti

Christian Gonzatti

Christian Gonzatti assina na Tangerina a coluna O Lado Fruta da Força, que fala do universo nerd com um olhar bem colorido. Ele preferia ser Mestre Jedi ou o Doutor Estranho, mas a vida só permitiu ser mestre e doutor em comunicação. LGBTQIA+, é criador da plataforma Diversidade Nerd nas redes. Um dos seus maiores sonhos é ser um X-Men e frequentar uma escola para mutantes em que a Lady Gaga seja a diretora.

Ver mais conteúdos de Christian Gonzatti

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal