O LADO FRUTA DA FORÇA

Montagem com personagens nerds da comunidade LGBTQIA+

Imagens: Divulgação / Montagem: Tangerina

O LADO FRUTA DA FORÇA

Xô, machista e homofóbico: Sem diversidade, não existiria cultura nerd

A figura do nerd foi associada a discursos machistas, racistas e LGBTfóbicos. Mas cabe lembrar que, sem diversidade, não existiria cultura nerd

Christian Gonzatti

Christian Gonzatti

Olá, nerds do lado colorido da força. O dia de hoje é simbólico por dois motivos. O primeiro, você deve saber, é por ser o Dia da Toalha e o Dia do Orgulho Nerd. O segundo motivo é que esse é o último texto que assino aqui na coluna O Lado Fruta da Força. Foi muito legal essa parceria, e vocês podem continuar me acompanhando nos perfis da Diversidade Nerd

Não podia deixar de falar aqui sobre o tema que me mobiliza como pesquisador e produtor de conteúdo sobre a cultura nerd: a centralidade da diversidade na invenção da cultura nerd. 

No livro Toxic Geek Masculinity in Media: Sexism, Trolling, and Identity Policing, de 2017, as pesquisadoras Anastasia Salter e Bridget Blodgett percebem como a identidade nerd (geek identity), ao sair de um lugar de marginalização e ter mais visibilidade, gera forças contraditórias que sinalizam as batalhas de negociação sobre o que é “ser nerd”. 

Para entender essa construção, elas olham para a natureza dos heróis no mercado midiáticos nerd, em espaços de ficção científica e fantasia, e para as narrativas que representam a cultura nerd. O duelo de visões entre o “nerd como vítima” e o “nerd como herói” dão espaço para a ascensão de uma hipermasculinidade nerd, uma identidade forjada para rejeitar as marcas do feminino, assim como a estética tradicional do homem atlético.

Desde movimentos como o Gamergate, as hostilidades e violências que tomam o gênero como motivador aumentaram em convenções de quadrinhos e filmes. Há um descontentamento odioso, que se disfarça de “trollagem” algumas vezes, contra mulheres e LGBTQIA+ que ganham visibilidade como produtoras ou fãs da cultura pop.

Através da análise de produções midiáticas como Chuck (2007-2012), The Big Bang Theory (2007-2019), Supernatural (2005-2020), Sherlock (2010-2017) e uma variedade de super-heróis do MCU,  as pesquisadoras percebem que uma masculinidade tóxica está profundamente enraizada na cultura nerd, sendo importante, portanto, redefinir a identidade do “nerd como vítima”, pois além de ser um entendimento que não cabe mais na atualidade, é também uma ação necessária para tornar a cultura nerd um espaço cada vez mais inclusivo. 

As autoras percebem que, em muitos casos, os tipos de masculinidade exibidos como aceitáveis para homens nerds são reducionistas ao lidar com a complexidade da identidade. 

Embora tenha melhorado, o ideal masculino em grande parte da ficção científica foi definido como diretamente oposto ao feminino. Ser homem é não ser mulher. Isso reforça barreiras, rotulações e limites do que é aceitável ou não para ser um homem nerd. A cobrança de um olhar mais inclusivo e transformado, que abandone relações tóxicas contidas em um um ideal de masculinidade conservador, é mais difícil ainda para aqueles que fizeram a “nerdice” o cerne da sua identidade. O medo e ódio contra feministas e “guerreiros da justiça social” (social justice warriors – SJW) é a manifestação do desejo de não transformar as relações de poder.

A cultura nerd, no entanto, não passou a ser diversa ontem. Ela sempre foi. Nunca foi apenas uma entidade singular ou um único fandom. 

Grande parte dos escritores da Marvel e da DC que nos presentearam com personagens icônicos, como Stan Lee (1922-2018) e Joe Shuster (1914-1992), eram judeus e tinham no histórico das suas famílias as marcas trágicas do nazismo. 

No livro Invasores de Texto, lançado no Brasil em 2015, mas originalmente publicado no início da década de 1990, o pesquisador Henry Jenkins demonstra a importância das mulheres no fandom de Star Trek e como elas inauguraram muitas das práticas de fãs. 

Em Video Games Have Always Been Queer, lançado em 2019, Bonnie Ruberg traça uma história que demonstra como narrativas e pessoas LGBTQIA+ foram responsáveis e sempre estiverem presentes na cultura dos games. 

Sem mencionar que o dispositivo em que você está lendo esse texto só foi inventado graças às descobertas de Ada Lovelace (1815-1852), inventora do primeiro código de programação, e Alan Turing (1912-1954), homem gay, um dos responsáveis pela invenção do computador moderno. 

A diversidade sempre esteve presente na cultura nerd. E vai estar cada vez mais. O que vai estar cada vez menos presente nela é a ignorância. Ou o nerd preconceituoso muda. Ou ele vai ter que deixar de se identificar como nerd.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Christian Gonzatti

Christian Gonzatti

Christian Gonzatti assina na Tangerina a coluna O Lado Fruta da Força, que fala do universo nerd com um olhar bem colorido. Ele preferia ser Mestre Jedi ou o Doutor Estranho, mas a vida só permitiu ser mestre e doutor em comunicação. LGBTQIA+, é criador da plataforma Diversidade Nerd nas redes. Um dos seus maiores sonhos é ser um X-Men e frequentar uma escola para mutantes em que a Lady Gaga seja a diretora.

Ver mais conteúdos de Christian Gonzatti

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal