FILMES E SÉRIES

Túnel do Assalto ao Banco central em cena de 3 Tonelada$

Divulgação/Netflix

Netflix

3 Tonelada$: O que descobrimos sobre o assalto ao Banco Central

A série documental da Netflix reconstrói um dos maiores crimes cometidos no país e joga luz sobre fatos ainda não tão conhecidos

Victor Cierro

Victor Cierro

O documentário 3 Tonelada$: Assalto ao Banco Central estreou nesta quarta-feira (16) na Netflix. A série nacional reconstrói um dos maiores roubos da história do Brasil. Os detalhes da investigação, as principais informações sobre o crime de 2005 e as consequências do delito são exploradas durante os três episódios de 50 minutos cada. A Tangerina apresenta os fatos mais importantes que a série apresenta e as curiosidades inusitadas do assalto em Fortaleza que chocou a nação.

O início

Nas proximidades do banco, a quadrilha de 34 criminosos abriu uma empresa de fachada especializada em grama sintética. No local, os assaltantes escavaram um túnel de 75 metros até o Banco Central de Fortaleza. Em turnos alternados de até sete pessoas, eles não pararam em nenhum momento até a conclusão da escavação.

Buraco do túnel do Assalto ao Banco central em cena de 3 Tonelada$

Olha aí: o buraco que se conectava ao túnel do Banco Central

Divulgação/Netflix

O túnel, cavado com pás de jardineiro, tinha um sistema de iluminação, ventilação e até de comunicação. Para não deixar provas para a polícia, os criminosos usavam uma linha de interfone ao invés de telefones. E, segundo estimativa da própria polícia, eles utilizaram 900 tábuas de madeira para concluir a construção.

As identidades falsas

O documento falso do dono da empresa de grama, Paulo Sérgio, tinha como data de nascimento 5 de agosto de 1968. O assalto ao Banco Central aconteceu no dia 5 de agosto de 2005.

Durante a fuga, alguns criminosos saíram de Fortaleza com identidades falsas, com nomes diferentes, mas utilizando fotos verdadeiras, o que ajudou a polícia na identificação dos membros da quadrilha. O caso mais curioso foi o de Fernando Carvalho. Ele usou o nome Fernando Vinícius de Moraes como “homenagem” para o famoso poeta, cantor e compositor brasileiro (1913-1980).

Resposta rápida da polícia

A Polícia Civil de Fortaleza agiu com agilidade. Logo depois do crime, eles foram investigar revenda de carros e caminhões. Em busca de pistas, os policiais procuravam veículos que poderiam transportar o dinheiro para fora de Fortaleza. E a técnica deu resultado. Eles conseguiram apreender R$ 6 milhões que estavam escondidos em carros novos dentro de um caminhão cegonha.

Principais informações do assalto

O assalto ao Banco Central foi digno de um filme hollywoodiano. No total, 34 criminosos estavam envolvidos diretamente no furto. No entanto, mais de 160 pessoas foram envolvidas em lavagem de dinheiro nos anos seguintes. Sendo assim, 129 pessoas foram indiciadas no processo por envolvimento direto no crime.

O roubo em si durou aproximadamente 11 horas, ao longo das quais foram escavados 75 metros de túnel. Os criminosos roubaram 3,5 toneladas de cédulas de 50 reais não rastreáveis. O valor era equivalente a R$ 164,5 milhões.

Cena do documentário 3 Tonelada$: Assalto ao Banco Central

O documentário 3 Tonelada$ encenou momentos do crime de 2005

Divulgação/Netflix

A investigação durou 5 anos e mais de 200 policiais federais estiveram envolvidos na operação. Ao todo, cerca de 500 testemunhas foram ouvidas. E nas condenações em 1ª instância, as penas somadas totalizam mais de 2 mil anos de prisão.

As curiosidades do documentário Netflix

Cena do documentário 3 Tonelada$: Assalto ao Banco Central

Trailer de 3 Tonelada$

O Banco Central de Fortaleza foi assaltado em 2005

E como faz para resumir um dos maiores assaltos do Brasil em apenas três episódios? Os diretores Daniel Billio e Rodrigo Astiz tiveram essa difícil tarefa. Ao lado da pesquisadora-chefe Claudia Belfort, eles passaram por três meses de pesquisa intensiva.

E, para trazer o depoimento de um dos líderes da quadrilha, a Netflix passou por dois meses de negociação. No total, 3 Tonelada$ entrevistou mais de 30 pessoas e captou 95 horas de material. A produção durou seis meses.

Daniel Billio e Rodrigo Astiz também tiveram a preocupação de contextualizar o espectador. Sendo assim, a série da Netflix encenou momentos do crime e até fez uma réplica do túnel. Sim, 3 Tonelada$: Assalto ao Banco Central construiu a passagem subterrânea com as mesmas medidas e os mesmos objetos encontrados pelos peritos. As cordas, garrafas de água, lâmpadas, a tubulação de ar refrigerado e os ventiladores foram colocados pela produção para mostrar um dos principais cenários da ação.

Quer saber mais sobre o assalto ao Banco Central, o famoso crime de 2005? Assista 3 Tonelada$ no catálogo da Netflix.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Victor Cierro

Victor Cierro

Repórter da Tangerina, Victor Cierro é viciado em quadrinhos e cultura pop e decidiu que seria jornalista aos 9 anos. É o foca da equipe e cria da casa: antes da Tangerina, estagiou no Notícias da TV, escrevendo sobre filmes e séries.

Ver mais conteúdos de Victor Cierro

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal