Há 30 anos, Melrose fez reviravolta digna de trama mexicana - Tangerina

FILMES E SÉRIES

Heather Locklear, Grant Show e Daphne Zuniga em Melrose Place

Divulgação/Fox

30 ANOS DEPOIS

Novelão, Melrose tinha reviravoltas de fazer inveja a Walcyr Carrasco

Há exatos 30 anos, estreava Melrose Place, série derivada de Barrados no Baile que entrou para a história com seus dramas exagerados

Luciano Guaraldo

Um condomínio residencial em Los Angeles foi palco para sete temporadas de muitas traições, explosões e mortes. Melrose Place (1992-1999) tinha tantas reviravoltas sem o menor sentido, apenas para chocar o público, que nem Walcyr Carrasco conseguiria fazer igual em suas histórias rocambolescas. A série norte-americana com pegada de novela mexicana de luxo completa 30 anos de sua estreia nesta sexta-feira (8).

Criada por Darren Star, que depois faria Sex and The City (1998-2004) e Emily em Paris, Melrose Place (ou apenas Melrose, como ficou conhecida no Brasil) era um spin-off de Barrados no Baile (1990-2000). Mas, enquanto a atração de Brandon (Jason Priestley) e Brenda (Shannen Doherty) mostrava os dilemas do colégio, sua derivada focava em um grupo de jovens adultos que dividiam um condomínio.

Inicialmente, a proposta era explorar os dramas e os sonhos de cada um desses moradores, com histórias que começavam e acabavam no mesmo episódio. De desemprego a abuso sexual, os roteiristas tinham cerca de 43 minutos (mais os intervalos) para resolver o conflito do dia. Não deu certo.

Apesar de exibida na sequência de Barrados no Baile, Melrose não decolou no primeiro ano e foi apenas a 94ª série mais vista da TV norte-americana na temporada 1992-1993. Darren Star e sua equipe, então, decidiram inovar. Eliminaram o drama da semana e transformaram a série em um novelão, com tramas que se arrastavam durante vários episódios –e até temporadas inteiras.

Eles também convocaram a atriz Heather Locklear, que já tinha experiência com dramalhões exagerados por causa de seu papel em Dinastia (1981-1989). Na pele da inigualável Amanda Woodward, Heather transformou a atração por completo. O público amava odiar a personagem, que fez a audiência disparar –na segunda temporada, Melrose já era a 50ª série mais assistida da TV.

Nos anos 1990, nenhuma atração se permitia tantas loucuras quanto Melrose Place. Todas as reviravoltas absurdas que o público norte-americano estava acostumado a ver nas soap operas vespertinas ganharam o horário nobre. Jane (Josie Bissett) enterrou seu ex vivo, e o prédio chegou a ser explodido por uma das moradoras –que alegou estar possuída por um “mendigo demônio”. Ela também roubou o bebê de uma amiga e tentou amamentá-lo.

A personagem explosiva/Nazaré Tedesco gringa, aliás, entrou para a história da TV por uma cena que já estreou clássica: Kimberly (Laura Leighton), aparentando estar com dor de cabeça, massageou sua testa até revelar que seu cabelo era uma peruca que escondia uma cicatriz. Confira:

Laura Leighton em Melrose Place

Confira cena clássica de Melrose Place

Kimberly (Laura Leighton) tira peruca para revelar cicatriz na cabeça

Curiosamente, a Fox nunca teve problemas com as tramas exageradas de Melrose. A rede que exibia a série nos EUA, aliás, pedia que os roteiros ficassem cada vez mais pirados. Mas um personagem virou o alvo dos executivos da TV: Matt (Doug Savant), que era homossexual assumido.

Qualquer tentativa de colocar o personagem em um contexto romântico era prontamente censurada. Enquanto os héteros transavam o tempo todo, Matt não podia sequer beijar o namorado. “Os roteiros voltavam com mudanças. Uma cena de beijo virava: ‘O amante de Matt faz carinho em sua orelha’. Felizmente, evoluímos muito de lá para cá”, desabafou Carol Mendelsohn, que foi roteirista da série, ao site Vulture.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Luciano Guaraldo

Editor-chefe da Tangerina. Antes, foi editor do Notícias da TV, onde atuou durante cinco anos. Também passou por Diário de São Paulo e Rede BOM DIA de jornais.

Ver mais conteúdos de Luciano Guaraldo

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal