Bruxa à solta em Pantanal: Velho do Rio é a vergonha da profissão? - Tangerina

MIX

O ator Osmar Prado caracterizado como o Velho do Rio em Pantanal

Reprodução/TV Globo

SINDICATO DAS FEITICEIRAS

Bruxa à solta em Pantanal: Velho do Rio é a vergonha da profissão?

O Velho do Rio (Osmar Prado) não faz jus à figura da bruxa que foi queimada nas fogueiras da Santa Inquisição em Pantanal

Daniel Farad

O Velho do Rio (Osmar Prado) escapou de um incêndio provocado por fazendeiros, a quem sequer se dá nome aos bois, em Pantanal. Ele, porém, não precisaria virar sucuri para escapar das chamas da Inquisição. A insistência para convencer Juma (Alanis Guillen) a gerar um herdeiro para os Leôncio o torna imune às fogueiras santas –que reduziram centenas de bruxas a cinzas durante quase três séculos.

Ele é um dos “encantados”, que é como a cultura popular identifica os indivíduos que se afastaram da vida secular para se transformarem em séries mágicos. O Velho do Rio é inspirado nas diversas figuras de devoção que existem em praticamente todas as regiões do Brasil –do malandro Zé Pelintra à cigana Adélia Kostich.

O personagem de Osmar Prado, no entanto, guarda uma diferença fundamental em relação a esses personagens a que se costuma referir como “povo da rua”. Ele reproduz o discurso hegemônico em vez de estar ao lado dos menos favorecidos –economicamente ou socialmente–, na relação com grupos marginalizados pela sociedade.

O Velho do Rio, por exemplo, subverte a própria figura do feiticeiro ao pressionar Juma a se deitar com Jove (Jesuita Barbosa) para dar um neto a José Leôncio (Marcos Palmeira). Ela não o procura com dificuldades para engravidar, pelo contrário, mas para revelar que não deseja a maternidade.

O direito da mulher sobre o próprio corpo foi justamente uma das questões por trás da caça às bruxas entre o fim do período medieval e n início da Idade Moderna. A filósofa italiana Silvia Federici explica que um dos objetivos da Inquisição era justamente exterminar os indivíduos que tinham conhecimento sobre ervas contraceptivas e abortivas –mulheres, em sua imensa maioria.

A própria língua entrega o quanto esses indivíduos foram demonizados por se colocarem à parte do poder da nobreza europeia. Eles recusavam a posição de servidão dentro da sociedade feudal para morar próximas às florestas, ou se organizavam em pequenas vilas. Ou seja, tornavam-se vilões.

A Inquisição, na verdade, faz parte de uma “contrarreforma” para abarcar esses dissidentes dentro do embrião da sociedade ocidental. A Idade Média não foi necessariamente marcada por conformismo, mas por diversas lutas do campesinato –em que mulheres tinham direitos e deveres muito mais afins com os homens.

O Velho do Rio é, nesse sentido, uma figura muito mais próxima aos vencedores do que aos perdedores da Inquisição. Não que seja exatamente uma surpresa, ao se pensar que o porta-voz dos direitos da natureza e da comunhão com o meio ambiente seja justamente o homem que criou um império agropecuário no meio do Pantanal.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Daniel Farad

Repórter. Além do Notícias da TV, também se juntou ao Tangerina para combater a mesmice e o escorbuto. Escreve do Rio de Janeiro, onde se sente eternamente em uma novela do Manoel Carlos. Aqui, porém, a gente fala mexerica. Fale com o Daniel: [email protected]

Ver mais conteúdos de Daniel Farad

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal