MÚSICA

Big Thief, banda indie norte-americana

Divulgação

Big Thief

Banda indie cancela shows em Israel e é chamada de ‘covarde’ por casa

Indicada a três Grammys. Big Thief tentou tocar no país natal do baixista do grupo, mas sofreu pressão dos fãs nas redes sociais

Luccas Oliveira

Luccas Oliveira

A banda de indie rock norte-americana Big Thief decidiu cancelar os shows que faria em Israel. As duas apresentações estavam marcadas para julho, em Tel Aviv, e foram anunciadas na semana passada. Desde então, os fãs do grupo vinham fazendo pressão nas redes sociais pelo cancelamento, numa forma de apoio à causa palestina.

No comunicado divulgado nesta quinta-feira (9), o Big Thief explicou que se opõe “à ocupação ilegal e à opressão sistemática do povo palestino. Acreditamos na liberdade total e no livre arbítrio para todos os palestinos”.

Parece que a banda, indicada a três Grammys nos últimos anos, já esperava pelo que viria. Ao anunciar os shows na semana passada, o Big Thief explicou que queria conhecer a cidade natal do baixista do grupo, Max Oleartchik, assim como sua família e amigos. “Da mesma maneira que ele tem feito com a gente durante as turnês nos Estados Unidos. É fundamental conviver com nossas famílias. Com esse espírito, decidimos tocar em Israel”, dizia a nota anterior.

Ainda na semana passada, o Big Thief mostrava conhecimento sobre o movimento BDS, que estimula boicotes a shows em Israel como protesto à ocupação palestina. Roger Waters, do Pink Floyd, é um grande porta-voz do BDS. O roqueiro político, inclusive, já pressionou publicamente brasileiros como Caetano Veloso e Milton Nascimento a cancelarem shows no país. Ambos optaram por manter as apresentações.

“Entendemos a natureza inerentemente política de tocar lá, bem como as implicações. Nossa intenção não é diminuir os valores daqueles que apoiam o boicote ou fechar os olhos aos que sofrem. Estamos nos esforçando para estar no espírito de aprendizagem”, dizia a banda.

No novo comunicado, confirmando o cancelamento dos shows, o Big Thief explicou que a intenção de tocar em Israel, “onde Max nasceu, cresceu e atualmente mora, vem da simples crença de que a música cura”. No entanto, “nós agora reconhecemos que os shows que marcamos não honram esse sentimento. Lamentamos por aqueles que magoamos com a imprudência e ingenuidade de nossa declaração original sobre tocar em Israel, e esperamos que aqueles que planejavam ir aos shows entendam nossa escolha de cancelá-los”.

Big Thief: Casa deseja ‘todo o mal do mundo’

Ao menos a casa de shows de Tel Aviv, chamada Barby, não entendeu. O espaço alegou que a ideia de se apresentar lá partiu da própria banda e que eles “não pediam para o Big Thief lutar em nossas guerras”.

Depois, em nota publicada no Facebook, o Barby subiu o tom: “Na verdade, o cancelamento nos deixa triste por vocês, um bando de músicos pobres e covardes que têm medo de sua própria sombra. Como todos os outros. Desejamos a vocês todo o mal do mundo, assim como fizeram aos seus fãs em Israel. E esperamos que, assim como vocês cresceram, que vocês caiam e se tornem mais um episódio passageiro”.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Luccas Oliveira

Luccas Oliveira

Luccas Oliveira é editor de música na Tangerina e assina a coluna Na Grade, um guia sobre os principais shows e festivais que acontecem pelo país. Ex-jornal O Globo, fuçador do rock ao sertanejo e pai de gatos, trocou o Rio por São Paulo para curtir o fervo da noite paulistana.

Ver mais conteúdos de Luccas Oliveira

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal