MÚSICA

Melhores músicas de abril: Harry Styles puxa a lista com As It Was

Divulgação

Faixa a faixa

Harry Styles: As 13 músicas de Harry’s House, da pior para a melhor

O artista lançou nesta sexta-feira (20) o terceiro e mais aguardado disco da carreira; leia o faixa a faixa

Nicolle Cabral

Nicolle Cabral

Pela primeira vez, Harry Styles desabafou que não está preocupado caso seu terceiro disco, o aguardado Harry’s House, “não seja um sucesso comercial” —embora o hit As It Was já tenha estreado no topo da Billboard Hot 100 e colecione milhões de vídeos no TikTok. Antes do lançamento do álbum, que chegou nesta sexta-feira (20) às plataformas digitais, o artista concedeu uma entrevista à Billboard na qual destrinchava o que poderíamos encontrar nele. “Canções muito intimistas”, acenou Harry.

A própria capa de Harry’s House, inclusive, já apontava para isso. Nela, vemos o ex-One Direction em uma sala minimalista, apenas com um sofá, uma poltrona e uns itens de decoração —longe da euforia do mundo lá fora e dos “fantasmas” que o acompanharam desde o encerramento da boyband. Segundo Harry, o álbum é um produto inspirado pelas revelações que ele teve durante o período de isolamento social, devido à Covid-19. “Durante a quarentena, comecei a processar muitas coisas que aconteceram quando eu estava na banda”, apontou na mesma entrevista.

Então, tudo o que se pode imaginar é que Harry Styles, enfim, está mais sossegado, mais solto e menos exigente. Consequentemente, isso repercutiu ao longo das 13 faixas do mais novo lançamento. Nele, o artista se distancia das explosivas canções de Fine Line, do refrão chiclete de Watermelon Sugar e das guitarras cortantes de She.

Em Harry’s House, ele não deixa de lado as referências oitentistas que também preenchem o elogiado disco de 2019, mas se aproxima dessas sonoridades de um jeito mais confortável e sem a áurea de ser um astro do pop recheada de expectativas. Embora ele nunca tenha deixado de ser essa pessoa.

Pensando nessa nova apresentação do artista, a Tangerina veio elencar as 13 faixas de Harry’s House, da pior a melhor. Listas assim sempre causam alguma confusão, então, já adianto aos fãs que não é nada pessoal. Se você discorda, comente abaixo. Vamos lá:

13º lugar: Boyfriends

Embora a participação do Ben Harper no violão seja interessante, a música fica por isso mesmo. Ela não só parece, como é um rascunho do disco antecessor de Harry. A composição foi feita durante as sessões finais da gravação de Fine Line e quase entrou no álbum. Quando ela chega em Harry’s House, acontece sem alarde nem brilho.

12º lugar: Late Night Talking

Nada contra. Mas o Silk Sonic faria melhor.

11º lugar: Keep Driving

Assim como o título sugere: continue dirigindo. A música é uma brisa leve no rosto, enquanto Harry dá um singelo adeus aos momentos difíceis. Keep Driving é bem linear e, em determinado momento, parece que vai fazer uma ultrapassagem, mas imediatamente volta para à faixa correta. Tem vocais acertados, porém pode passar despercebida. Ao contrário da sucessora, Satellite, que tem refrão chiclete e pop.

10º lugar: Little Freak

Dá para entender completamente o apelo, porque promete conquistar os fãs em shows, que estarão cantando essa a plenos pulmões. É uma canção para lá de confortável, se pensamos na estrutura sonora e como os versos são cantados. Mas, já que o Harry está em casa, tudo bem.

9º lugar: Love Of My Live

Ótimo desfecho para o disco e improvável não compará-la com a faixa-título que encerra o segundo disco do artista. Ambas guardam notas graciosas, harmonias fantasmagóricas, palpitantes e, logo depois, evaporam. Assim como o amor que o próprio artista narra.

8º lugar: Grapejuice

Com atmosfera inicial mais “suja”, que depois se esvai em beats eletrônicos, melódicos e psicodélicos, o artista nos deixa a sonhar com a vontade de viver um momento tranquilo ao lado de um amor —e garrafas de vinho.

7º lugar: Daylight

Parece que vai ficar em um lugar-comum, mas é abraçada por abrasivas baterias que dão uma grandeza para a canção. Por isso, ganha uma outra profundidade em contraposições aos versos mais simples e repetitivos —que aparecem ao longo de todo o disco.

6º lugar: Cinema

Se é proposital, não se sabe. Mas uma coisa é fato: Harry está namorando Olivia Wilde, atriz e diretora, e ele escreveu uma música chamada Cinema. No gancho da canção, ele canta: “Eu só acho que você é legal, eu curto o seu cinema”. Embora a composição seja supersimples, a música tem o seu charme, um baixo atraente e groove palpitante. A guitarra da canção foi tocada por John Mayer.

5º lugar: Matilda

Em relação às demais canções, a balada acústica encanta menos, mas é nela que Harry deposita a composição mais sensível do disco. A música foi coescrita pelo artista, por Amy Allen, mesma colaboradora de Adore You, e pelos fiéis escudeiros Tyler Johnson e Kid Harpoon. Em Matilda, ele canta: “Você não precisa se desculpar por ir embora e crescer”, verso que, para nós, meros espectadores da vida do artista, podem ser lidos como um conselho a um amigo —ou ao próprio Harry. Mesmo que, desde o início da canção, ele se apresente como o observador.

Nesse caso, portanto, não importa para quem é a mensagem, mas sim o que ela transmite. “Matilda, você fala da dor como se estivesse tudo bem / Mas eu sei que você sente que um pedaço de você está morto por dentro”. É como sentir uma tremenda necessidade de oferecer ajuda, em uma situação que você está impedido de agir efetivamente.

4º lugar: Satellite

Em Satellite, Harry faz bom uso dos arranjos e alguns synths-pop, explorados pela leva de artistas que produziram discos na pandemia. O refrão chiclete, fácil e repetitivo, só aumenta o potencial da canção. Poderia ter saído facilmente como um single.

3º lugar: Music For A Sushi Restaurant

Parece improvável chegar em um restaurante de comida japonesa e ser surpreendido pelo estouro de um drum and bass, mas a música se destaca justamente por essa misturinha “esquisita” (no melhor dos sentidos). Tem instrumentos orgânicos, coral, synths-pop e um vocal em que Harry emula uma persona de estrela do rock, que se derrete no meio.

2º lugar: As It Was

O primeiro single de Harry’s House é, inegavelmente, um dos maiores sucessos de 2022. Com um vocal para lá de doce, Harry canta sob baterias eletrônicas, vibrantes e energéticas, combinadas com um sintetizador que remete aos hits do A-Ha. O grupo, inclusive, tem apresentações marcadas para o Brasil. Em As It Was, o artista supostamente canta sobre um amor perdido, mas o ritmo acelerado e colorido deixa tudo mais leve. É a famosa música com melodia feliz, mas que tem letra triste.

1º lugar: Daydreaming

Na primeira audição, a música já soa curiosa: um coral que acompanha a cadência de um saxofone. Na sequência, esses dois elementos se dividem gloriosamente. A explosão se deve ao sample de Ain’t We Funkin’ Now (1978), dos The Brothers Johnson. Com ele, a faixa é imediatamente tomada por uma atmosfera retrô extremamente charmosa e alegre. O groove, o funk e o disco encaixam muito bem nas oscilações vocais de Harry, que vão de uivos e falsetes a cantos mais melódicos. A faixa é magnética, assim como o artista é em cima (e fora) dos palcos.

Informar Erro
Falar com a equipe

Tags

QUEM FEZ
Nicolle Cabral

Nicolle Cabral

Antes de ser repórter da Tangerina, Nicolle Cabral passou por Rolling Stone, Revista Noize e Monkeybuzz. Nas horas vagas, banca a masterchef para os amigos, testa maquiagens e cantarola hits do TikTok.

Ver mais conteúdos de Nicolle Cabral

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal