MÚSICA

Montagem traz as imagens de NINA, Budah, Matuê e Vandal, representantes de diferentes subgêneros do rap

Divulgação/Melina Furlan (foto de Budah, a segunda da coluna de cima); as demais, fotos de divulgação

Glossário

Grime, drill, trap: Conheça subgêneros do rap que estão em alta

Como um gênero vivo e em constante evolução, o rap está sempre ganhando novas ramificações. É normal ficar perdide, mas a gente te ajuda

Mari Paulino

Mari Paulino

Desde a criação do hip hop e a escalada do rap para o mainstream, o estilo se ramificou e se modernizou diversas vezes. A ascensão do gênero passou essencialmente pela adaptação a culturas diferentes fora dos Estados Unidos. Com isso, o rap ganhou novas referências e, consequentemente, subgêneros. Essa expansão é resultado da globalização e do maior acesso às novas tecnologias, o que facilita a conexão cultural entre países. 

Não existe estilo melhor ou pior, pois foi com a soma dessas ramificações que o rap abriu possibilidades, deu voz para mais artistas e possibilitou colaborações. Isso impactou diretamente na chegada do rap às paradas de sucesso. Os subgêneros mais celebrados, em números, são o boom bap e o trap.

Hoje, porém, o grime e o drill também têm feito a cabeça dos ouvintes mais jovens. A foto acima, aliás, traz representantes brasileiros de diferentes destes subgêneros do rap: no sentido horário, N.I.N.A. (grime), Budah (R&B contemporâneo), Matuê (trap) e Vandal (drill e grime).

Para conhecer um pouco desta árvore genealógica, a Tangerina vai passar, em ordem quase cronológica, por alguns subgêneros populares do rap, suas histórias e principais artistas.

Boom bap

O estilo de batida mais clássico do rap é, definitivamente, o boom bap. Sua origem foi uma consequência da falta de equipamentos que os DJs tinham no começo do hip hop, o que acabou criando um estilo mais “seco”. Nas palavras do grande defensor do estilo, o MC e produtor KRS-One, o “boom” é o bumbo e o “bap” é a caixa. 

O boom bap surgiu na era de ouro do hip hop, entre meados dos anos 1980 e início da década de 1990, mas continua sempre atual e relevante. O estilo se desenvolveu na Costa Leste dos Estados Unidos e seu momento de grande prestígio foi mesmo os anos 1990. Junto com o boom bap, veio também os scratches —os riscos que o DJ faz no disco de vinil propositalmente. 

No Brasil, o estilo é um dos favoritos entre os mais envolvidos na cultura hip hop. O boom bap também é bastante usado em batalhas de breaking. 

Para ouvir boom bap

Fora do Brasil: DJ Premier, RZA, KRS One, Q-Tip, Nas, Wu Tang-Clan, Rapsody, Ana Tijoux, Mos Def, Talib Kweli , Bahamadia e Queen Latifah.

No Brasil: Dow Raiz, Kamau, Matéria Prima, Flora Matos, Coruja BC1, Xis, Stefanie, Cris SNJ, Rodrigo Ogi e Emicida.

Gangsta rap/G-Funk

O rap é um gênero musical cujas letras podem falar tanto de amor quanto de violência e contar histórias reais. O gangsta rap é visto como um estilo que aborda exclusivamente temas que contam a realidade das ruas e das gangues. Este estilo se consolidou nos anos 1980 e um dos grupos precursores do foi o N.W.A. 

Lá na década de 1990, surgiu o gangsta funk ou G-Funk, que aborda os mesmos temas, mas tem uma sonoridade diferente, com mais sintetizadores e fortes referências de funk music. A grande virada do estilo foi com o álbum The Chronic, de Dr. Dre.

Assim como foi nos EUA, as cidades litorâneas do Brasil desenvolveram o G-Funk, mas aqui o subgênero foi chamado apenas de… funk*. Sim, o funk que você conhece saiu daí! Já em cidades como São Paulo, o que pegou mesmo foi o gangsta rap. Na década de 1990, assim, surgiram grupos como Facção Central, 509-E, Face da Morte, Realidade Cruel e Racionais MC’s. 

Para ouvir G-Funk 

Fora do Brasil: Dr. Dre, Nate Dogg, Warren G, E-40, 2pac, Lil Kim, The Lady of Rage, Spice 1, Too $hotty, Ice Cube e Snoop Dogg.

No Brasil: Facção Central, 509-E, Face da Morte, Realidade Cruel, e Racionais MC’s.

* É importante citar que o miami bass, outro subgênero histórico do rap, também esteve diretamente ligado à origem do funk brasileiro, especialmente ao carioca. DJ Marlboro bebeu muito desta fonte quando surgiu com o estilo. O miami bass era muito popular na Costa Oeste dos EUA, nas décadas de 1980 e 1990, enquanto o gangsta rap estava em alta na Costa Leste.

R&B contemporâneo

O termo Rhythm and Blues, ou apenas R&B, foi introduzido na cultura norte-americana, de forma comercial, em 1940, pela revista Billboard. A expressão foi utilizada por pessoas brancas na década de 1960 para referir-se aos estilos musicais derivados do blues, gospel e soul music. 

No início da década de 1980, o R&B começou a encorpar outros estilos, como rap, soul e funk. Com a nova fase musical, o chamado R&B contemporâneo ganhou bastante espaço comercial nos anos 1990. Foi aí que, pela primeira vez em sua história, o R&B ganhou uma categoria própria no Grammy. O primeiro vencedor foi o grupo Boyz II Men, em 1995. 

Por ganhar grande influência de vários estilos, o R&B tem uma pluralidade sonora bem ampla, mas geralmente as letras sempre falam de amor. No Brasil, o estilo tem ganhado mais espaço e vive seu melhor momento desde 2019 

Para ouvir R&B contemporâneo

Fora do Brasil: Lauryn Hill, TLC, Ne Yo, Janet Jackson, Rihanna, Beyoncé, Michael Jackson, Bruno Mars, Adele, Mariah Carey, Frank Ocean, Aaliyah e Snooh Aalegra.

No Brasil: Budah, Alt Niss, Jean Tassy, Fabriccio, Tássia Reis, Yoún, Luccas Carlos, Agnes Nunes e Drik Barbosa.

Gospel

O estilo gospel é um grande pilar para a música negra norte-americana, e também um dos mais antigos. Criado no início do século 20, o gospel tem canções que envolvem coral, piano, órgão, guitarra, bateria e baixo. Um dos grandes responsáveis por colocar o gospel no mainstream foi Ray Charles, na década de 1950. Na época, ele foi duramente criticado pela comunidade cristã. 

O ritmo é o grande pai da música negra, pois deu origem a estilos como blues, R&B, rock e soul music. Consequentemente, é um grande pilar para o rap e foi incorporado nas músicas de hip hop. Muitos artistas do movimento lançam composições gospel em seus álbuns, o que fez o hip hop crescer dentro do universo cristão dos EUA. Um bom exemplo é Kanye West, que lançou Jesus is King em 2019, um álbum essencialmente gospel

Para ouvir gospel

Fora do Brasil: Chance The Rapper, John Legend, Anthony Hamilton, Kirk Franklin, Aretha Franklin e Kanye West.

No Brasil: Ao Cubo, Pregador Luo e Expressão Ativa.

Jazz rap

Este subgênero que incorpora sonoridades e instrumentos do jazz é parte de um lado mais alternativo do hip hop. Ele traz uma consciência política fundamental nas letras. Afinal, tanto o jazz quanto o rap são grandes símbolos de resistência e de transformação social.

A tendência da mistura começou em 1985, quando a banda Cargo, que era liderada por Mike Carr, lançou o single Jazz Rap no álbum Jazz Rap, Volume One. Em 1988, porém, o grupo Gang Starr lança seu primeiro single, Words I Manifest, que traz mais a sonoridade do que seria o jazz rap dali em diante. 

Por ser um estilo mais alternativo, a exportação musical para o Brasil não teve tanto sentido culturalmente. Afinal, o jazz não é exatamente popular por aqui, onde tivemos o samba e a MPB. Muitos artistas de rap nacional usam mais samples de música brasileira nas músicas, como Marcelo D2 faz ao unir rap e samba.

Para ouvir jazz rap 

Fora do Brasil: Digable Planets, Guru’s Jazzmatazz, The Roots, A Tribe Called Quest, Gang Starr, Common, Jazz Liberatorz, Rejjie Snow e Noname. 

No Brasil: Kamau e Mental Abstrato

Rap rock

A primeira grande fusão entre rap e rock veio com Run DMC e Aerosmith, na lendária Walk This Way, em 1986. Naquele ano, era lançado o álbum Licensed To III, dos Beastie Boys, que carimbou mais o estilo na cena hip hop. A junção de gêneros completamente opostos deu muito certo e foi ganhando o mainstream. 

No Brasil, ele também foi muito abraçado. O Planet Hemp foi o responsável para fazer da fusão um sucesso por aqui. Mas uma das principais fusões nacionais foi entre Charlie Brown Jr. e RZO (ouça essa). 

Para ouvir rap rock 

Fora do Brasil: Beastie Boys, Joey Bada$$, Rage Against Machine e Cypress Hill. 

No Brasil: Planet Hemp, Charlie Brown Jr, Pavilhão 9, RPW e Câmbio Negro.

Trap

O subgênero do rap surgiu nos anos 2000 e ganhou bastante popularidade, sendo fundamental para reavivar o hip hop, desde então. O trap é uma música mais eletrônica e traz com ele um lifestyle específico, o que gerou um movimento mais comercial. O estilo ganha destaque nas produções audiovisuais, que também têm uma linguagem própria. 

As letras costumam “tirar onda”, com um tanto de ostentação, drogas e sexo. O termo “trap”, em inglês, significa armadilha. Em Atlanta, onde o subgênero se criou, ele se refere às casas onde os traficantes vendem drogas. As batidas do estilo podem ser facilmente criado em aplicativos para computadores e até em celulares. Por conta desta simplicidade tecnológica, o trap viralizou mundialmente. 

No Brasil, o subgênero do rap ganhou muita força na última década e também foi importante para reforçar o interesse dos jovens no hip hop. Hoje, o trap alcançou tanta popularidade que seus elementos estão incorporados na música pop e no funk brasileiro. É um dos estilos mais ouvidos no mundo. Atrações do Rock in Rio, Megan Thee Stallion e Migos são, essencialmente, artistas do trap, assim como A$AP Rocky e Doja Cat, que vêm ao Lollapalooza Brasil.

Para ouvir trap 

Fora do Brasil: Kendrick Lamar, Migos, Gucci Mane, Cardi B, Nicki Minaj, 21 Savage, Travis Scott, A$AP Rocky, Future, Megan Thee Stallion e Doja Cat.

No Brasil: Raffa Moreira, Tasha & Tracie, Matuê, MC Caverinha, Slipmami, Sidoka, ONNiKA, Duquesa, Mc Poze do Rodo, BK, Djonga e Bivolt.

Emo rap/Emo trap

Assim como o rap se juntou ao rock lá nos anos 1980 e 1990, outro subgênero do rock se juntou com o trap. Assim nasceu o emo trap, ou emo rap. Essa junção criou uma forte comunidade redor do estilo e uma identidade mais sombria, que pode ser vista tanto na estética visual quanto audiovisual.

As letras usam e abusam de versos sentimentais e mais “para baixo”. O termo “sad boy” (garoto triste, em tradução livre) é bastante usado para se referir aos que gostam e produzem para o estilo, que foi criado pelo rapper sueco Yung Lean.

O emo trap também foi bastante abraçado no Brasil. Porém, por conta do excesso de fragilidade emocional colocado nas músicas, gerou um alerta sobre a saúde mental dos jovens. Assim como o trap, o ritmo também tem como tema o uso e abuso de entorpecentes. 

Para ouvir emo trap 

Fora do Brasil: Lil Uzi Vert, Juice WRLD, Iann Dior, Princess Nokia, Trippie Red, Logic, Mac Miller e Post Malone. 

No Brasil: Yung Buda, Yunk Vino, Raffa Moreira e Klyn.

Grime

O grime é um dos subgêneros do rap em alta. Ele pode ser considerado um estilo pós-moderno do trap, que nasceu nas comunidades de imigrantes jamaicanos da Inglaterra no início dos anos 2000. Com um estilo muito mais eletrônico e acelerado que o trap, o ritmo tem influências de drum & bass, ragga e jungle. Geralmente, as músicas têm 140 BPM e os MCs usam 8 versos de compasso, diferente dos 16 tradicionais do rap. 

O estilo é novo no Brasil, mas teve uma conexão imediata com o funk. O primeiro projeto a realizar essa mescla foi o álbum Brime, do rappers Febem e Fleezus com produção de CESRV, em 2020. Este foi um grande marco recente do rap nacional —o disco chegou a ser lançado em vinil por um selo britânico.

Desde então, o estilo por aqui se acoplou de vez no funk, mas também no pagodão baiano e samba-reggae. É importante pontuar, porém, que o primeiro grime brasileiro foi feito em 2002, por ninguém mais, ninguém menos que Chorão e MV Bill. 

Para ouvir grime

Fora do Brasil: Skepta, Dave, Stormzy, AJ Tracey e Ms Banks. 

No Brasil: Febem, N.I.N.A, Aka AFK, Antconstatino, Brasil Grime Show, SD9, Derxan, Vandal e Kyan.

Drill

O drill é um estilo bem controverso, pois muitos afirmam que ele não faz parte da árvore genealógica do hip hop. O estilo, que tem muitas referências de trap, surgiu em Chicago e chegou ao mainstream por lá em 2012. O gênero traz uma pegada mais sombria, com uma estética mais violenta, na qual os artistas geralmente cobrem o rosto. O drill também tem causado um grande impacto na moda, pois, diferentemente do trap, os artistas usam roupas esportivas e menos ligadas em ostentação. 

Assim como o grime, o drill foi bem aceito e incorporado no Brasil. E também incorporou a estética violenta e explícita nas músicas. Seus clipes costumam exibir muitas armas, o que tem chamado a atenção das comunidades.

Aliás, recentemente, também por conta do drill, o prefeito de Nova York, Eric Adams, fez críticas ao excesso de violência e armas expostas na internet. “Expulsamos Trump do Twitter e, no entanto, permitimos que continuem nestes sites de música a exibição de armas e violência”, disse ele.

Para ouvir drill 

Fora do Brasil: Digga D, Pop Smoke, King Von, Zoenia e Central Cee.

No Brasil: Iza Sabino, Leall, Vandal, Kyan, L7nnon, BK e Antconstantino.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Mari Paulino

Mari Paulino

Mari Paulino é jornalista cultural, mas entrou na publicidade e trabalha com Music and Brands. Nascida na periferia da zona sul de São Paulo, é fã do Miranha, cultura hip hop, cultura pop, teorias da conspiração e skincare.

Ver mais conteúdos de Mari Paulino

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal