GAMES

Cena de Elden Ring

Divulgação/Bandai Namco

Lista

Gostou de Elden Ring? Veja jogos parecidos com mundos fantásticos

Nenhum jogo é exatamente igual a Elden Ring, mas separamos alguns que têm elementos em comum com o título da FromSoftware

Bruno Silva

Bruno Silva

Elden Ring continua entre os jogos mais jogados do momento, com 12 milhões de cópias vendidas desde o lançamento, o que deve ter apresentado o estilo dos jogos da produtora FromSoftware a muita gente. Você gostou de Elden Ring e agora está buscando jogos parecidos? A Tangerina separou uma lista especial para você.

Em primeiro lugar, precisamos te dar um aviso: não existe nenhum jogo exatamente igual a Elden Ring, o que é exatamente parte de seu charme e um dos motivos pelos quais muita gente está começando a jogar, mesmo sem saber nada sobre Dark Souls e afins —se você é uma dessas pessoas, temos um guia para você.

Apesar disso, existem jogos que conseguem replicar alguns dos aspectos mais populares de Elden Ring. É caso de jogos que têm a mesma sensação de descoberta, ou que tem um sistema de combate similar. Enfim, seja como for, são jogos nos quais a aventura é garantida. Confira:

Dark Souls

Cena de Dark Souls

Lançado em 2011, Dark Souls popularizou o estilo de jogo de Elden Ring

Divulgação/Bandai Namco

Nada mais justo do que começar uma lista de jogos parecidos com Elden Ring com um título da FromSoftware. Dark Souls foi o jogo que tornou a produtora japonesa em um estúdio aclamado mundialmente, e de forma justa. 

Dark Souls mistura o mesmo sistema de combate punitivo com exploração misteriosa, só que sem o mundo aberto. A trama, assim como em Elden Ring, nunca é contada diretamente. Você é um guerreiro morto-vivo que escapa de um asilo e viaja por um mundo amaldiçoado.

Mesmo com um cenário mais fechado, Dark Souls brilha com um sistema onde as fases são interconectadas de forma brilhante. Sabe quando você dá uma volta enorme por um castelo e, de repente, abre um atalho que te devolve a um ponto de salvamento lá do começo? É aqui que Dark Souls brilha, ao lado de excelentes lutas de chefe e um sentimento de perigo constante.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Cena de The Legend of Zelda: Breath of The Wild

Zelda e Link protagonizam The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Divulgação/Nintendo

De todas as indicações dessa lista, nenhuma se aproxima mais de Elden Ring do que The Legend of Zelda: Breath of the Wild. A obra-prima da Nintendo de 2017 tem muito em comum com o jogo da FromSoftware. Em especial, na maneira como você explora e interage com o mundo do jogo, de forma muito livre e sem interferências.

Em Breath of the Wild, o herói Link acorda cem anos depois de uma guerra que destruiu o mundo, agora tomado por monstros. A humanidade sobrevive em pequenos vilarejos e cabe a você descobrir o que aconteceu durante esse período de coma do protagonista, enquanto recupera seus poderes e resolve desafios.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild é daqueles jogos que conseguem empolgar muito mostrando pouco, e fazem você ter cada vez mais vontade de permanecer naquele mundo, só para ver se mais alguma coisa surge. Seu combate não é tão punitivo quanto o dos jogos Souls, embora seja um pouco desafiador, o que faz deste título uma ótima pedida para quem quer a mesma sensação de descoberta com menos dificuldade.

Nioh 2

Cena de Nioh 2

Nioh 2 mistura eventos históricos com mitologia japonesa

Divulgação/Koei Tecmo

Caso você queira se desafiar com a mesma intensidade dos momentos mais complicados de Elden Ring, Nioh 2 é um jogo parecido, que pode replicar essa sensação. Afinal, sua desenvolvedora, a também japonesa Team Ninja, é conhecida por produzir jogos de combate punitivo desde Ninja Gaiden (2004), no primeiro Xbox.

Nioh 2 une acontecimentos históricos reais com a mitologia japonesa. No segundo jogo, que se passa no final do século 16, você assume o controle de um ser meio humano, meio yokai, a definição japonesa para seres sobrenaturais que serve para descrever tanto monstros quanto espíritos.

Um dos aspectos que deve agradar aos fãs de Elden Ring é a variedade de armas, e como elas afetam seu estilo de jogar. O protagonista de Nioh 2 tem à disposição espadas, lanças, machados, arco e flecha, tonfas, martelos e até mesmo rifles.

Star Wars Jedi: Fallen Order

Cena de Star Wars Jedi: Fallen Order

Star Wars Jedi: Fallen Order leva o estilo de jogo de Elden Ring para uma galáxia muito distante

Divulgação/Electronic Arts

O estilo de jogo de Dark Souls e Elden Ring fez tantos fãs ao redor do mundo que até mesmo Star Wars se rendeu a sua influência. Jedi: Fallen Order tem um sistema de combate e exploração muito parecido com o dos títulos da FromSoftware, mas aqui as espadas e runas dão lugar aos sabres de luz e ao uso da Força.

O jogo tem história canônica, situada entre o Episódio III: A Vingança dos Sith e o Episódio IV: Uma Nova Esperança. Nela, o protagonista Cal Kestis (Cameron Monaghan) é um dos poucos jovens sobreviventes da Ordem 66, que exterminou a maioria dos jedi na galáxia. No entanto, a chegada do Império ao planeta onde ele se escondia o coloca em uma jornada para se aproximar novamente da Força.

Para quem se sentiu intimidado com Elden Ring, Star Wars Jedi: Fallen Order tem vários modos de dificuldade, o que pode ajudar você a se acostumar com o estilo dos jogos Souls antes de se aventurar neles.

Assassin’s Creed Valhalla

Imagem promocional de Assassin's Creed Valhalla

Assassin's Creed Valhalla leva você à Inglaterra do século 9

Divulgação/Ubisoft

Muita gente vai torcer o nariz para essa indicação, mas os dois jogos têm, sim, alguns elementos em comum, especialmente no que diz respeito à exploração. Assassin’s Creed Valhalla também tem um mundo enorme que mistura fantasia com eventos históricos —no caso, a invasão viking às ilhas britânicas no final do século 9.

Ao contrário de outros jogos da série Assassin’s Creed, que ficam chamando a sua atenção o tempo todo para mostrar o que você pode fazer, Valhalla é um pouco mais sutil. Ainda há indicações, mas elas não são escancaradas e permitem que você tenha surpresas ao encontrar aldeões ou cavaleiros escondidos em seu enorme cenário.

No combate, até existe um pouco de inspiração nos jogos da FromSoftware, embora seja relativamente fácil subir o nível do seu personagem até que ele se transforme em um super-herói invencível. De toda forma, Assassin’s Creed Valhalla oferece um mundo grande e cheio de elementos de fantasia, atiçando o mínimo de curiosidade em quem joga.

Bloodborne

Imagem promocional de Bloodborne

Bloodborne traz clima tenso e ótimo sistema de combate

Divulgação/PlayStation

Para fechar a lista, vamos com outro grande sucesso da FromSoftware que também apresentou o estilo de Dark Souls a muitos jogadores. Lançado em 2015, Bloodborne se destaca por ter uma experiência similar a de Elden Ring, só que com mais foco. Há menos armas, menos possibilidades de estilo de jogo e um mundo mais contigo. Mas aqui, menos é mais.

Essa desconstrução da fórmula de Elden Ring até sua essência fez de Bloodborne um jogo único, que consegue ser igualmente convidativo a novos jogadores sem abrir mão dos combates punitivos e da exploração misteriosa. A inspiração visual nas obras de H.P. Lovecraft (1890-1937) ajuda a criar uma atmosfera única, em que palácios e ruas vitorianas estão lado a lado de criaturas assustadoras.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Bruno Silva

Bruno Silva

Editor de games e animes na Tangerina, Bruno Silva é brasiliense e fã de basquete. Jornalista, apresentador e streamer, foi co-criador do The Enemy e já publicou no Omelete, Nerdbunker, Metrópoles e Correio Braziliense.

Ver mais conteúdos de Bruno Silva

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal