FILMES E SÉRIES

Ezra Miller como Flash

Divulgação/Warner Bros.

PROBLEMÁTICO

Demissão ou streaming? Warner avalia futuro do Flash de Ezra Miller

Problemas envolvendo Ezra Miller fora dos estúdios forçam a nova direção da Warner a reconsiderarem os rumos para o Flash e o universo da DC

Luciano Guaraldo

O filme solo do Flash só vai ser lançado daqui a um ano, em 22 de junho de 2023, mas o futuro do velocista já virou uma dor de cabeça para a Warner Bros. Discovery. É que Ezra Miller, intérprete de Barry Allen, não tem apresentado um comportamento exemplar longe das gravações. Assim, a empresa trabalha com duas opções: demitir o ator ou “esconder” o longa com um lançamento direto na HBO Max e aceitar um prejuízo de US$ 200 milhões (mais de R$ 1 bilhão).

Segundo o site Deadline, que publicou um grande dossiê sobre o que acontecerá com The Flash, o lançamento do filme será o primeiro grande desafio de David Zaslav, que assumiu o comando da Warner após a fusão com a Discovery e tem cortado custos para maximizar lucros.

Zaslav já deixou claro que as propriedades da DC Comics estão entre suas prioridades e que ele planeja fortalecer o universo compartilhado de Superman, Batman, Mulher-Maravilha e outros grandes heróis –seguindo os passos daquilo que a Marvel tem feito com muito sucesso, e que a Warner não conseguiu construir de maneira coesa até o momento.

O CEO também demonstrou que não tem medo de interromper projetos para os quais não vê potencial: ele já cancelou o filme dos Supergêmeos, que seria estrelado por K.J. Apa (o Archie de Riverdale) e lançado diretamente na HBO Max.

De acordo com o Deadline, a Warner chegou a oferecer ajuda para Ezra Miller, mas os problemas envolvendo o astro não param. Ele já foi acusado de dopar e ameaçar menores de idade, foi gravado enforcando uma mulher e a empurrando ao chão na Islândia, e acabou preso duas vezes no Havaí por agressão.

Assim, David Zaslav precisa tomar uma decisão –e logo– sobre o que fazer com o filme do Flash e, ainda mais importante, sobre o futuro de Ezra Miller na Warner. A torcida nos corredores da empresa é para que o ator se comporte pelos próximos 12 meses para que a poeira abaixe. Mas isso, dado o seu histórico, parece improvável.

Uma opção seria lançar o filme sem o alarde que ele merece, cancelar a turnê de divulgação pelo mundo e, assim poupar Miller e a equipe de perguntas constrangedoras. Outra seria colocar The Flash na HBO Max, sem passar pelos cinemas, e assumir o prejuízo pelo orçamento bilionário do longa na expectativa de que a plataforma ganhe assinantes. De todo jeito, o ator dificilmente voltará para um segundo filme do velocista.

Vale lembrar que a Warner Bros. já tomou decisão similar quando os casos de violência doméstica envolvendo Johnny Depp vieram à tona: ele foi substituído por Mads Mikkelsen no terceiro filme da franquia Animais Fantásticos. A saga de Newt Scamander (Eddie Redmayne), aliás, também conta com Ezra Miller, que vive o misterioso Credence Barebone.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Luciano Guaraldo

Editor-chefe da Tangerina. Antes, foi editor do Notícias da TV, onde atuou durante cinco anos. Também passou por Diário de São Paulo e Rede BOM DIA de jornais.

Ver mais conteúdos de Luciano Guaraldo

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal