Artista de efeitos denuncia Marvel por condições abusivas - Tangerina

FILMES E SÉRIES

Tatiana Maslany em cena de She-Hulk

Divulgação/Disney+

DESVALORIZAÇÃO

Artista de efeitos especiais denuncia Marvel por condições abusivas

Parece que os CGI de qualidade duvidosa dos últimos lançamentos da Marvel têm explicação: desvalorização dos artistas de efeitos especiais

Giulianna Muneratto

Nos últimos meses, a Marvel tem recebido diversas críticas com relação à qualidade dos efeitos visuais de seus filmes e séries. No longa mais recente, Thor: Amor e Trovão (2022), a cena da projeção astral de Axl (Kieron Dyer), filho de Heimdall (Idris Elba), foi motivo de piada entre os fãs. O trailer da série Mulher-Hulk também desagradou, já que não atingiu o nível que se espera do MCU (Universo Cinematográfico da Marvel). 

Segundo um relato obtido pela Vulture, uma das razões para o CGI de qualidade duvidosa são as péssimas condições de trabalho oferecidas pela Marvel aos estúdios de efeitos especiais. “É um fato bem conhecido e até mesmo brincado, de maneira sombria, em todas as casas de efeitos visuais, que trabalhar nos programas da Marvel é realmente difícil“, relatou, de maneira anônima, um artista de efeitos especiais que já trabalhou para a megaprodutora.

De acordo com o profissional, a quantidade de lançamentos do estúdio é excessiva e obriga os artistas a cumprirem muitas horas extras para conseguirem entregar tudo. “Já tive colegas de trabalho sentados ao meu lado, desmoronando e começando a chorar. Já vi pessoas tendo ataques de ansiedade ao telefone.”

O artista também contou que a Marvel é bastante conhecida por cobrar alterações e retoques de última hora. “O estúdio tem muito poder sobre as casas de efeitos, só porque tem tantos filmes de sucesso saindo um após o outro. Se você chatear a Marvel de alguma forma, há uma grande chance de você não conseguir esses projetos no futuro. Então, as casas de efeitos estão tentando se virar para manter a Marvel feliz”, revelou.

Os filmes e séries da produtora sempre têm orçamentos exorbitantes –o último longa lançado foi feito com US$ 250 milhões (R$ 1,3 bilhão)–, mas o artista afirma que o valor separado para os responsáveis pelos efeitos é baixo, o que resulta em equipes reduzidas e jornadas de trabalho dobradas

“Com a Marvel, os lances normalmente ficam um pouco abaixo, e a Marvel está feliz com esse relacionamento, porque economiza dinheiro. Mas o que acaba acontecendo é que todos os projetos da Marvel tendem a ter falta de pessoal. Onde eu normalmente teria uma equipe de dez artistas de efeitos visuais em um filme que não é da Marvel, em um filme da Marvel, consegui dois, incluindo eu. Assim, cada pessoa está fazendo mais trabalho do que precisa.”

O relato ainda conta, sem citar exatamente qual foi o filme em que isso aconteceu, que um dos longas da Marvel teve cenas importantes alteradas um mês antes da estreia e que o estúdio de efeitos visuais responsável por isso não conseguiu cumprir todas as exigências. O resultado? Entrou para a lista de proibições e não trabalhará mais com a Marvel Studios. 

A fonte também explica que os novos diretores contratados para os filmes do MCU não têm experiências com blockbusters, não entendem o processo de pós-produção que esses filmes exigem e que nunca há um diretor de fotografia envolvido no processo.

“Um bom exemplo do que acontece nesses cenários é a cena de batalha no final de Pantera Negra (2018). A física está completamente desligada. De repente, os personagens estão pulando, fazendo todos esses movimentos malucos, como figuras de ação no espaço. Do nada, a câmera está fazendo esses movimentos que não aconteceram no resto do filme. Tudo parece um pouco caricatural. Isso quebrou a linguagem visual do filme.”

O profissional finalizou o desabafo propondo mudanças ao estúdio. “A Marvel precisa treinar seus diretores para trabalhar com efeitos visuais e ter uma visão melhor desde o início”, sugere. “Outra coisa é a sindicalização. Há um movimento crescente para fazer isso, porque ajudaria a assegurar que as casas de efeitos visuais não possam aceitar lances sem ter que considerar quais seriam os impactos. Porque na maioria das vezes, é como se você trabalhasse em um programa da Marvel, e trabalharia nisso por um valor mais barato só porque é legal.”

Informar Erro
Falar com a equipe

Tags

QUEM FEZ

Giulianna Muneratto

Jornalista pela Faculdade Cásper Líbero. Adora um filme clichê, música pop e sonhava em ser cantora de cruzeiro, mas não tem talento pra isso.

Ver mais conteúdos de Giulianna Muneratto

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal