Players: Nova série é Gambito da Rainha para mundo de LoL - Tangerina

FILMES E SÉRIES

Da'Jour Jones em Players

Divulgação/Paramount+

NO PARAMOUNT+

Players: Série é Gambito da Rainha para o mundo de League of Legends

Com formato de documentário, série ficcional Players mostra bastidores de uma equipe de gamers profissionais que entra em conflito

Luciano Guaraldo

O universo do eSports movimentou mais de US$ 200 milhões (R$ 1 bilhão) em prêmios apenas em 2021, mas muita gente ainda pensa que videogame é coisa de quem não tem nada melhor para fazer. A opinião desse público deve mudar depois de assistir a Players, série ficcional do Paramount+ que mostra os bastidores de uma equipe de League of Legends. E você nem precisa ser gamer para entender a história da produção!

“A gente se inspirou em O Gambito da Rainha [2020], a série da Netflix sobre xadrez. Eles nunca simplificaram as jogadas, é uma produção muito bem pesquisada, mas você não precisa conhecer o xadrez, saber o que é um gambito da rainha ou uma defesa siciliana para entender a história”, conta Tony Yacenda, que criou Players em parceria com Dan Perrault, à Tangerina. “A série era sobre os personagens, sobre suas relações. E a nossa também é assim.”

Players é apresentada como um documentário, com depoimentos dos personagens para a câmera –algo na linha de The Office (2005-2013) e Modern Family (2009-2020). Mas o formato documental teve outra influência: Arremesso Final (2020), produção sobre Michael Jordan que aproveitava gravações antigas do astro do basquete para mostrar como ele chegou ao auge no Chicago Bulls na temporada de 1997-1998.

É com base nas voltas ao passado para explorar o presente que a série conta a história da equipe Fugitive Gaming, que surgiu como uma promessa de League of Legends mas nunca conseguiu ganhar o campeonato mundial. A situação parece mudar com a chegada do novato Organizm (Da’Jour Jones), revelação de apenas 17 anos que faz sucesso como streamer de suas partidas online.

Mas o astro do time, Creamcheese (Misha Brooks), sofre para lidar com o novo contratado ao mesmo tempo em que sabe que sua carreira está chegando ao fim. E o técnico, Kyle (Ely Henry), amigo de faculdade do veterano, tem de acalmar os ânimos e conciliar os desejos do dono da Fugitive com o que ele considera melhor para o time. Tudo isso, claro, com muitas piadas costuradas.

“Tem algo muito engraçado no formato de documentários, que é colocar esses personagens ciente de que estão sendo gravados e achando que vão parecer descolados nas gravações, sendo que na verdade a intenção das câmeras é meio que ridicularizá-los. A diferença é que, ao contrário do Michael Scott [de The Office], os personagens não são iludidos. Eles realmente estão entre os melhores do mundo em um universo supercompetitivo”, explica Tony Yacenda.

Ely Henry e Misha Brooks em cena de Players

Amizade de Kyle (Ely Henry) e Creamchesse (Misha Brooks) é a alma de Players

Divulgação/Paramount+

Para Dan Perrault, Players pode ser apreciada principalmente por quem nunca viu um torneio de League of Legends na vida. “Esse era o nosso objetivo. Temos personagens muito emotivos na série, então você consegue perceber o que eles sentem um pelos outros e por si mesmos mesmo no meio de todo aquele linguajar especializado. E você ainda pode aprender algo sobre eSports, sobre o mundo dos jogadores profissionais e as subculturas à sua volta”, valoriza.

Os próprios criadores admitem que não eram exatamente fissurados em eSports quando desenvolveram a ideia da série. Mas, convidados para acompanhar um campeonato em Las Vegas, eles se encantaram por aquele universo. “Eu fiquei fascinado com a escala do evento. Conheci jogadores, ex-jogadores, comentaristas, cosplayers. E percebi que era muito similar aos esportes tradicionais, apesar de ser ao mesmo tempo tão diferente”, lembra Perrault.

Mas, se você acompanha League of Legends, a série também tem algo para te prender. “Players é, em sua essência, uma carta de amor ao esporte. Mesmo que façamos piadas às custas do Creamcheese, precisamos que o público esteja interessado na Fugitive Gaming. Nunca podemos brincar com o que está em jogo, que é a possibilidade de ganhar o campeonato mundial. O público precisa acreditar que isso é muito importante. E tem de torcer por essa equipe, como torceu pelos Dillon Panthers [da série Friday Night Lights]. A diferença é que essa meta é cercada por uns personagens mais bobos e por algumas piadas”, completa Tony.

Players faz parte do catálogo do Paramount+. Os quatro episódios iniciais da primeira temporada já estão disponíveis no streaming.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Luciano Guaraldo

Editor-chefe da Tangerina. Antes, foi editor do Notícias da TV, onde atuou durante cinco anos. Também passou por Diário de São Paulo e Rede BOM DIA de jornais.

Ver mais conteúdos de Luciano Guaraldo

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal