MIX

Randy Jackson, Paula Abdul e Simon Cowell

Divulgação/Fox

20 ANOS DA ESTREIA

American Idol mudou a TV para sempre, mas falhou na criação de ídolos

O American Idol completa 20 anos de sua estreia neste sábado (11). Reality mudou a cara das competições musicais, mas não criou ídolos

Luciano Guaraldo

Em 11 de junho de 2002, há exatos 20 anos, entrava no ar o American Idol. O reality musical levou o formato britânico Pop Idol para os Estados Unidos e o elevou à enésima potência. Programas como The Voice, The Masked Singer e até Ritmo + Flow devem suas existências ao fenômeno norte-americano, que conseguiu transformar os batidos shows de calouros (que Silvio Santos tanto explorou no Brasil nos anos 1980 e 1990) em espetáculos grandiosos. A competição mudou a TV para sempre, mas falhou em sua proposta principal: apresentar os novos ícones da música.

Ao todo, o reality já teve 20 temporadas (a mais recente foi encerrada em maio nos EUA), o que significa que 20 cantores ganharam a competição ao longo de duas décadas. Você sabe listar pelo menos cinco deles? Difícil, né? A Tangerina ajuda. Just Sam, Maddie Poppe, Caleb Johnson, Trent Harmon… Não, não são nomes inventados. São artistas que realmente venceram o American Idol!

E se citarmos Jennifer Hudson, Katharine McPhee, Adam Lambert e Todrick Hall? Pegadinha do Mallandro! Apesar de serem muito mais conhecidos (uma delas venceu o Oscar, e outro foi escolhido a dedo para substituir Freddie Mercury no Queen, afinal), esses quatro não ganharam a competição e foram eliminados pelo caminho.

Kelly Clarkson no American Idol

Primeira campeã, Kelly Clarkson virou uma figura televisiva

Reprodução/Fox

Os dois exemplos de sucesso, que servem de modelo para qualquer calouro que queira se arriscar em realities de música, são Kelly Clarkson e Carrie Underwood, que venceram a primeira e a quarta edições, respectivamente. Kelly atualmente comanda um divertido talk show, e Carrie faz residência em um cassino em Las Vegas. São bem conhecidas, sem dúvida, mas também não chegam a ser ícones atemporais como Madonna ou Elton John.

Surge, então, o questionamento: se o próprio público é quem vota em seus artistas favoritos no American Idol, por que os campeões não conseguem o apoio desses mesmos espectadores em suas carreiras pós-reality?

Não há uma resposta simples. Alguns vencedores simplesmente não tinham perfil ou vontade de seguir carreira no pop e se dedicaram a gêneros mais nichados, como o country (Scotty McCreery) ou o gospel (Ruben Studdard). Outros aproveitaram a experiência televisiva e se atiraram na Broadway, a meca do teatro em Nova York (casos de Fantasia Barrino, Jordin Sparks e David Cook).

Carrie Underwood no American Idol

Carrie Underwood é o maior exemplo de sucesso do reality, com oito Grammys

Reprodução/Fox

Há ainda situações como a de Phillip Phillips, campeão da temporada 2012 do American Idol. Ele teve um início promissor e chegou a se apresentar no Palco Mundo do Rock in Rio 2013 –um feito reservado para artistas com carreiras muito mais longas. O dono do hit Home parecia pronto para seguir os passos de Kelly e Carrie, ou mesmo de superá-las.

Em 2015, porém, Phillips foi forçado a pausar tudo depois de um desentendimento com a produtora do reality, a 19 Entertainment. Ele processou a empresa, alegando que o ambiente de trabalho era opressivo e que não conseguia tomar decisões sobre a própria carreira. Simon Fuller retribuiu com uma ação contra o artista, e as partes só se entenderam em 2017, quando a empolgação dos fãs do cantor já havia diminuído bastante.

Atualmente, o American Idol é exibido pela rede ABC, mas nem de longe repete as audiências que conseguia quando fazia parte da programação da Fox. Sem calouros expressivos, o reality chama mais a atenção por causa das estripulias da jurada Katy Perry, que leva tombo, beija candidatos e faz caras e bocas sempre que possível.

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ

Luciano Guaraldo

Editor-chefe da Tangerina. Antes, foi editor do Notícias da TV, onde atuou durante cinco anos. Também passou por Diário de São Paulo e Rede BOM DIA de jornais.

Ver mais conteúdos de Luciano Guaraldo

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal