FILMES E SÉRIES

Iman Vellani e Matt Lintz em cena da série Ms. Marvel, série do Disney+

Divulgação/Disney+

Marvel

Como o Disney+ foge do gênero de super-heróis nas séries originais?

A próxima produção do streaming, Ms. Marvel, vai ser voltada para o público jovem

Victor Cierro

Victor Cierro

Ame ou odeie, as séries da Marvel vieram para ficar. Enquanto expande (excessivamente) o seu universo cinematográfico, a companhia tem a oportunidade de aprofundar as histórias de personagens secundários. Então, para inovar, as novas tramas dos super-heróis fogem do gênero clássico de aventura. Inclusive, Ms. Marvel, que estreia nesta quarta-feira (8), é o exemplo perfeito da estratégia do Disney+.

Nos últimos anos, o MCU (Universo Cinematográfico da Marvel) foi criticado pela repetição constante da fórmula de super-heróis. Os filmes, presos em um gênero estereotipado, não conseguiam escapar da clássica aventura de um personagem do bem.

Mas, com o passar dos anos, a Marvel conseguiu expandir o gênero de super-heróis. Em vez de repetir a fórmula consagrada, a companhia teve a capacidade de contar suas histórias em comédias, dramas mitológicos e até no mundo das animações.

E o principal responsável pelo feito é o Disney+. Na plataforma, a Marvel tem liberdade para introduzir novos personagens e aprofundar histórias de heróis conhecidos pelo público em gêneros fora da ação. Desde WandaVision (2021) até Ms. Marvel, o serviço de streaming ampliou o universo cinematográfico da empresa com excelência.

WandaVision é uma homenagem às séries do passado, Falcão e o Soldado Invernal usa o humor policial, Loki conta uma história de autoconhecimento, What If…? explora o mundo da animação no MCU, Gavião Arqueiro é uma comédia natalina, Cavaleiro da Lua apresenta uma aventura mitológica e Ms. Marvel vai ser totalmente voltada para o público infantojuvenil.

E, depois de Ms. Marvel, o Disney+ vai apresentar mais uma heroína aos assinantes do streaming. She-Hulk, uma série de comédia sobre a vida de uma advogada, tem estreia marcada para 17 de agosto. Veja o trailer abaixo:

Tatiana Maslany em cena de She-Hulk

Trailer de She-Hulk

Tatiana Maslany em cena de She-Hulk

O problema do Disney+

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura escancarou um problema sério no MCU: a conexão entre todas as produções. Antes de Vingadores: Ultimato (2019), as histórias estavam interligadas apenas pelos filmes. No entanto, com a expansão da Marvel no Disney+, a tarefa de acompanhar todos os heróis ficou complicada.

A ida da Marvel ao streaming segue a tendência do consumo de filmes e séries. Mas o planejamento da Disney está afetando a linha do tempo dos super-heróis. Originalmente, Doutor Estranho 2 estava programado para ser lançado antes de Homem-Aranha: Sem Volta para Casa. Por exemplo, você não acha que faria mais sentido o portal do Andrew Garfield ser aberto pela America Chavez (Xochitl Gomez)?

Informar Erro
Falar com a equipe
QUEM FEZ
Victor Cierro

Victor Cierro

Repórter da Tangerina, Victor Cierro é viciado em quadrinhos e cultura pop e decidiu que seria jornalista aos 9 anos. É o foca da equipe e cria da casa: antes da Tangerina, estagiou no Notícias da TV, escrevendo sobre filmes e séries.

Ver mais conteúdos de Victor Cierro

0 comentário

Tangerina é um lugar aberto para troca de ideias. Por isso, pra gente é super importante que os comentários sejam respeitosos. Comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, com palavrões, que incitam a violência, discurso de ódio ou contenham links vão ser deletados.

Acesse sua conta para comentar

Ainda não tem uma conta?

Conteúdo fresco, direto da fruta

Quer ficar por dentro das notícias do mundo pop? É só assinar nosso conteúdo semanal